Coronavírus

Covid-19: Alitalia suspende ligações aéreas internacionais a Milão

Max Rossi

A decisão foi provocada por um decreto aprovado pelo Governo italiano.

Especial Coronavírus

A companhia aérea italiana Alitalia anunciou este domingo que vai suspender todos os voos internacionais de e para os aeroportos de Milão a partir de segunda-feira, e restringirá os nacionais ao aeroporto de Linate, devido ao novo coronavírus.

"A partir de 09 de março [segunda-feira], a linha aérea italiana suspenderá todos os voos nacionais e internacionais de e para o aeroporto de Milão Malpensa", pode ler-se num comunicado hoje divulgado pela Alitalia, citado pela agência Efe.

A decisão foi provocada pelo decreto aprovado hoje pelo Governo italiano para lutar contra a expansão do novo coronavírus e que inclui a capital da Lombardia, Milão, em toda a "zona vermelha" de isolamento que abarca toda a região e 14 províncias do norte do país.

Assim, o último serviço internacional em Milão será "o voo AZ 605 desde Nova Iorque, que aterrará em Malpensa às 10:40 da manhã" de segunda-feira.

Para além das limitações no aeroporto de Malpensa, durante o período indicado pelo decreto governamental (até 03 de abril), a Alitalia "só operará ligações nacionais desde [o aeroporto] Milão Linate, com uma redução das frequências na rotas servidas, ao passo que os destinos internacionais serão acessíveis com voos através de Roma".

A Alitalia continuará, no entanto, a operar voos entre Veneza e Roma em ambas as direções, ainda que com menos frequências, e oferece aos seus clientes a possibilidade de alterar os seus bilhetes sem custos.

O primeiro-ministro italiano anunciou hoje a proibição de entradas e saídas da Lombardia e de outras 14 províncias para limitar a propagação do Covid-19.

Giuseppe Conte apareceu às 02:30 horas diante dos jornalistas para explicar que o decreto é difícil, mas necessário para "conter a propagação do contágio".

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou cerca de 3.600 mortos entre mais de 105 mil pessoas infetadas numa centena de países e territórios.

Das pessoas infetadas, cerca de 60 mil recuperaram.

Depois de a China ter colocado 60 milhões de pessoas em quarentena para tentar travar a epidemia, a Itália anunciou uma medida idêntica no Norte do país, que pode afetar cerca de 16 milhões de pessoas em cidades como Milão, Veneza ou Parma.

A Itália registou já 233 mortos em quase seis mil pessoas detetadas com o novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia.

Em Portugal, estão confirmados 21 casos de infeção e o Governo anunciou a suspensão temporária de visitas em hospitais, lares e estabelecimentos prisionais na região Norte.

Foram também encerrados temporariamente alguns estabelecimentos de ensino secundário e universitário.

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu que o risco da epidemia em Portugal poderá ser reavaliado nas próximas horas, e levar à adoção de novas medidas excecionais.

Veja também: