Coronavírus

Coronavírus: Alemanha anuncia as duas primeiras mortes

FILIP SINGER

A epidemia de Covid-19 já provocou mais de 3.800 mortos por todo o mundo.

Saiba mais...

A Alemanha registou hoje as duas primeiras mortes de pessoas infetados pelo novo coronavírus que causou uma epidemia que atinge já todos os países da União Europeia, anunciaram hoje as autoridades locais.

Uma mulher de 89 anos morreu em Essen, na Renânia do Norte-Vestfália, o maior dos 16 estados do país, segundo a autarquia local.

A outra morte ocorreu na mesma região, em Heinsberg, uma vila próxima da Holanda, que nos últimos dias se tornou num dos principais focos do surto na Alemanha.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 3.800 mortos.

Cerca de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 62 mil recuperaram.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 366 mortos e mais de 7.300 contaminados pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia.

Para tentar travar a epidemia, o Governo de Roma colocou cerca de 16 milhões de pessoas em quarentena no Norte do país, afetando cidades como Milão, Veneza ou Parma.

Portugal regista 30 casos confirmados de infeção, segundo o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado no domingo.

ACOMPANHE AQUI OS ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros