Coronavírus

Várias petições online exigem encerramento de todas as escolas e serviços não essenciais

Lucas Jackson

Milhares de cidadãos consideram necessário decretar quarentena para conter a Covid-19.

Estão online várias petições públicas a solicitar ao Governo que tome medidas para conter a propagação do novo coronavírus. Entre as várias medidas solicitadas, a maioria pede o encerramento de todas as escolas e a suspensão de serviços não essenciais.

A "Petição para encerramento das escolas e estabelecimentos de ensino em Portugal devido a SARS-CoV-2", que conta às 11h00 com mais de 24 mil assinaturas, pede "o encerramento imediato de todas as escolas e instituições de ensino durante um período de, pelo menos, duas semanas".

A petição "COVID-19: medidas a tomar", que conta com mais de 5 mil assinaturas,exige ao Governo que tome "medidas vigorosas para contenção da crise e redução do número de infetados e mortes no país", apela:



- Encerramento de todos os estabelecimentos de ensino;
- Encerramento de espaços de espetáculos, diversões, ginásios e outros espaços fechados de lazer;
- Encerramento de serviços e espaços públicos não essenciais;
- Encerramento de todos os locais que possam ser potenciais focos de infeção;

Entre as várias petições online, as que recolhem mais assinaturas têm todas o mesmo denominador comum:

Cancelamento das viagens de finalistas 5608 assinaturas

Encerramento do centro comercial bragaparque devido ao Covid 19 2353 assinaturas

Encerramento dos shoppings enquanto não se resolve o coronavirus 827 assinaturas

Suspensão das aulas na UA devido ao COVID-19 777 assinaturas

Compensação e suspensão do pagamento da CPAS durante os meses de Março e Abril de 2020 751 assinaturas

Petição para encerramento de fronteiras e aeroportos a passageiros 850 assinaturas

Petição para suspensão das competições de andebol sénior 689 assinaturas

Encerramento de Centros de Estudo, ATLs, OTLs... devido a COV-2 350 assinaturas

Encerramento das Escolas 343 assinaturas

4.600 mortos e mais de 125 mil infetados pelo novo coronavírus

O número de pessoas infetadas desde dezembro pelo novo coronavírus no mundo aumentou para 125.293 e o número de mortes subiu para 4.600, segundo um balanço feito pela agência noticiosa France-Presse (AFP), com dados atualizados às 09:00 de hoje.

Citando fontes oficiais, a AFP refere que, no total, foram registadas em 115 países e territórios 1.192 contaminações e 34 novas mortes desde o último balanço, às 17:00 de quarta-feira.

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia eclodiu no final de dezembro, teve 80.793 casos, incluindo 3.169 mortes e 62.793 pessoas curadas. Entre as 17:00 de quarta-feira e as 09:00 de hoje foram anunciadas 15 novas infeções e 11 novas mortes no país.

Em outras partes do mundo, foram registados 44.500 casos (1.177 novos) até às 09:00 de hoje, incluindo 1.431 mortes (23 novas).

Os países mais afetados depois da China são Itália (12.462 casos, 827 mortes), Irão (9.000 casos, 354 mortes), Coreia do Sul (7.869 casos, incluindo 114 novos casos, 66 mortes) e França (2.281 casos, dos quais 497 novos, 48 óbitos).

Os Estados Unidos registaram, desde o anúncio de seu primeiro caso de contaminação em janeiro, 1.101 casos de infeção, incluindo 191 novos desde quarta-feira e 28 mortes no total.

Este país é o 8.º mais afetado em número de casos desde o início da pandemia e o 7.º em termos de número de mortes.

Desde as 17:00 de quarta-feira a China, a Coreia do Sul, França e Reino Unido registaram novas mortes. Cuba e Jamaica anunciaram o diagnóstico dos seus primeiros casos.

A Ásia registou um total de 90.765 casos (3.253 mortes), a Europa 22.969 casos (947 mortes), o Médio Oriente 9.880 casos (364 mortes), Estados Unidos e Canadá 1.194 casos (29 mortes) ), América Latina e Caraíbas 197 casos (duas mortes), Oceânia 155 casos (três mortes), África 130 casos (duas mortes).

Em Portugal, a Direção Geral da Saúde (DGS) atualizou na quarta-feira o número de infetados, que são 59.

Este balanço da AFP foi elaborado com dados recolhidos junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A OMS declarou na quarta-feira a doença Covid-19 como pandemia. A OMS justifica a declaração de pandemia com "níveis alarmantes de propagação e de inação".

  • 100 mortes e 5.170 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O número de óbitos subiu de 76 para 100 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 4.268 para 5.170, mais 902 em relação a sexta-feira. A ministra da Saúde diz que a incidência máxima da doença deve acontecer no final de maio. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias