Coronavírus

Enfermeiros trabalham com falta de máscaras e dispositivos de proteção

YUAN ZHENG

A informação é avançada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses denunciou hoje que há enfermeiros a trabalhar com falta de dispositivos de proteção individual e escassez de máscaras e classificou de "discriminação" haver escolas para filhos de grupos profissionais de risco.

Em entrevista telefónica à agência Lusa, Guadalupe Simões, da direção nacional do Sindicato de Enfermeiros Portugueses avançou que uma das maiores preocupações atuais dos enfermeiros prende-se essencialmente com a carência de material, designadamente de "dispositivos de proteção individual e de máscaras".

"A partir do momento em que se aumentou, e bem, o número de hospitais de referência, o que seria suposto era que, de imediato, também essas instituições pudessem vir a ser fornecidas com esse tipo de material e a constatação que se faz é que isso não aconteceu", alertou Guadalupe Simões.

Outra "grande preocupação" dos enfermeiros é sobre a questão do cancelamento das escolas e o acompanhamento dos filhos dos enfermeiros, refere Guadalupe Simões, defendendo que não se deve "concentrar" num mesmo lugar todos os filhos dos profissionais de saúde, polícias, segurança e/ou forças armadas.

"Achamos que os filhos dos profissionais de saúde não podem ser, neste caso, descriminados comparativamente a outros. Ou seja, se há orientações generalizada da população de contenção social, isto também tem que abranger os filhos daqueles profissionais que têm que se manter a trabalhar e a fazer muitas horas para além do seu horário de trabalho", argumentou a sindicalista, referindo que o SEP pediu uma reunião urgente com a ministra da Saúde para discutir o assunto.

Para aquele sindicato, a medida mais aconselhável seria haver orientações no sentido de os horários de trabalho permitirem que as crianças nunca ficassem sozinhas em casa.

"A questão que se coloca aqui é a medida por parte do Governo que aponta para a possibilidade da manutenção de haver alguns estabelecimentos onde concentra os filhos de grupos de risco" e "não sabemos exatamente o que está a ser feito", acrescentou Guadalupe Simões.

"Por um lado, há um estado de alerta que determina a contenção social, o isolamentos das pessoas, etc. Por outro lado, a medida do Governo é colocar os filhos destes profissionais, que já estão confrontados com o trabalho e que estão perante a situação de poderem vir a estar infetados, em escolas ou estabelecimentos de ensino", explicou.

Outra das preocupações elencadas hoje por Guadalupe Simões são as suspeitas de casos de enfermeiros com o coronavírus Covid-19 que também estão a aparecer, mas cujas respostas das linhas de apoio estão a levar mais tempo do que seria aconselhável.

"Nos próprios centros de saúde tem-se registado casos suspeitos (de covid-19), cujas respostas por parte da Linha de Apoio ao Médico e da Linha Saúde 24 não são dadas num espaço de tempo aconselhável e isso também tem colocado os enfermeiros numa situação de maior exposição e isso é mais uma preocupação", disse.

Atualmente, há cerca de 31 mil enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde, segundo dados do SEP.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 6.000 mortos em todo o mundo.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos de infeção confirmados para 245, mais 76 do que os registados no sábado.

Veja também:

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão