Coronavírus

Militares franceses em missões de formação vão ser retirados do Iraque

RAHAT DAR

Cerca de 200 efetivos começaram a ser repatriados esta quarta-feira.

A França vai retirar os seus militares do Iraque, onde participam em missões de formação, anunciou esta quarta-feira o Estado-Maior francês, em resultado designadamente da pandemia do novo coronavírus, que acaba assim com uma das operações externas de Paris.

Fronteiriço do Irão, onde o vírus já matou mais de 2.000 pessoas, o Iraque impôs, no domingo, à escala nacional, medidas muito restritivas contra o novo coronavírus, e divulgou a existência de 20 mortos e 233 pessoas infetadas com a doença covid-19.

"Em coordenação com o Governo iraquiano, a coligação (internacional anti-Estado Islâmico, liderada pelos EUA) decidiu ajustar o seu dispositivo no Iraque e suspender provisoriamente as suas atividades de formação das forças de segurança iraquianas, considerando em particular a crise sanitária", sublinhou a instituição militar francesa, em comunicado.

Assim, "a França decidiu repatriar até nova ordem o pessoal da Operação Chammal (componente francesa da operação internacional) destacada para o Iraque", cujo total ronda os 200 efetivos, empenhados até agora na formação do exército iraquiano, que tem sido desenvolvida no Estado-Maior da coligação em Bagdade.

A partir desta quarta-feira, data do início do repatriamento, "já não há mais tropas Chammal no Iraque", disse o porta-voz do Estado-Maior francês, Frédéric Barbry, à AFP, salientando que esta retirada era, "em princípio, temporária".

O exército norte-americano, que representa a maior parte das forças estrangeiras destacadas no Iraque, tinha anunciado no final da semana passada uma redução temporária da dimensão da coligação.

"Para prevenir uma propagação da covid-19, o exército iraquiano suspendeu toda a formação. Em consequência, a coligação vai reenviar temporariamente para os seus países, nos próximos dias, alguns dos seus elementos especializados na formação", indicou, na sexta-feira, o Comando Central dos militares norte-americanos, o designado Centcom, que inclui o Iraque e a Síria.

Os britânicos e os checos também já anunciaram uma retirada de forças do Iraque.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 240.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados até esta quarta-feira.

Veja também:

  • 100 mortes e 5.170 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O número de óbitos subiu de 76 para 100 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 4.268 para 5.170, mais 902 em relação a ontem. A região Norte continua a ser a mais afetada. A ministra da Saúde diz que a incidência máxima da doença deve acontecer no final de maio. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias