Coronavírus

Pais sem apoio podem perder emprego ou ter de abandonar filhos em casa

Marina Brebion, professora, ajuda os seus quatro filhos a fazer os trabalhos da escola em Nantes, França

Stephane Mahe

Confap apela ao Governo para prolongar apoios durante as férias da Páscoa.

Especial Coronavírus

A Confederação Nacional de Associações de Pais defende que o governo tem de prolongar apoios durante as férias da Páscoa, senão muitos pais terão de escolher entre deixar os filhos sozinhos em casa ou arriscar-se a perder o emprego.

"O Governo tem de perceber que os pais estavam preparados para as férias da Páscoa mas não estavam preparados para a pandemia. Neste momento, não existem ATL abertos nem os avós podem receber as crianças. Se o governo não prorrogar o diploma as famílias terão de ir trabalhar e abandonar os filhos em casa, o que é crime", disse hoje à Lusa o presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap), Jorge Ascensão.

Há cerca de duas semanas o Governo anunciou várias medidas de apoio às famílias por causa da pandemia de covid-9, entre as quais um plano de apoio aos trabalhadores com filhos até aos 12 anos que tivessem de ficar em casa, uma vez que todas as escolas seriam encerradas.

Os trabalhadores puderam ficar a prestar apoio aos filhos -- com um corte no salário -- não sendo marcadas faltas ao trabalho.

No entanto, o apoio termina na sexta-feira, porque na semana seguinte já são férias da Páscoa, prejudicando "milhares de famílias", disse Jorge Ascensão.

Os encarregados de educação lembram que a situação que as famílias estão a viver se mantém inalterada e por isso pedem a prorrogação do decreto-lei que veio atribuir alguma segurança aos trabalhadores.

Segundo o presidente da Confap, a situação está a preocupar "milhares de famílias", havendo algumas que, no desespero, já pedem soluções menos vantajosas, como ter apenas a garantia que as faltas ao trabalho são justificadas e que podem recorrer ao regime geral de apoio à família.

"Quem decide sobre esta matéria é o primeiro-ministro ou o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, a quem já enviamos por escrito as nossas preocupações", acrescentou, sublinhando que no entender na Confap a solução deve passar por prorrogar o decreto-lei que definiu os direitos neste período de exceção.

A Confap pediu também ao Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que apresentasse esta preocupação na reunião de Conselho de Ministros.

O presidente da confederação diz que tem sido contactado por muitos pais que estão angustiados com a situação e reitera que "deixar os filhos sozinhos em casa para ir trabalhar é abandono. É crime".

Escolas encerradas, mais de dois milhões de crianças e jovens em casa

As escolas de todo o país, desde creches a estabelecimentos de ensino superior, estão encerradas desde a segunda-feira da semana passada, estando mais de dois milhões de crianças e jovens em casa.

Mais 17 mortes e 549 casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 60 mortes e 3.544 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu de 43 para 60 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 2.995 para 3.544, mais 549 relação a ontem, uma subida que representa um aumento de 18,3%.

Há, ao todo, 43 casos recuperados a registar, mais 21 que ontem.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Veja também:

  • Renovação do estado de emergência decidida hoje

    Coronavírus

    O Governo reúne-se esta tarde em Conselho de Ministros extraordinário no Palácio da Ajuda. Ao que a SIC apurou, o encontro vai servir para analisar os termos da renovação do estado de emergência. A decisão será tomada até ao final do dia pelo Presidente da República, depois de falar com o primeiro-ministro e já com o parecer positivo do Governo. Portugal regista 160 mortes e 7.443 casos de Covid-19. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia.

    Direto

    SIC Notícias