Coronavírus

Pelo menos 60 profissionais de saúde mental prestam apoio gratuito

A iniciativa partiu da presidente da Sociedade Portuguesa de Psicanálise, Luísa Branco Vicente.

Saiba mais...

Seis dezenas de psicólogos, psicanalistas, psiquiatras e pedopsiquiatras estão a prestar apoio gratuito, através de uma linha telefónica criada para ajudar as pessoas a lidar com o novo coronavírus e a "epidemia do afeto".

A iniciativa partiu da presidente da Sociedade Portuguesa de Psicanálise, Luísa Branco Vicente, que apelou, em carta, para a "generosidade" dos seus 230 sócios, "para disponibilizarem algumas horas do seu dia ou da sua semana (gratuitamente)", com o objetivo de apoiar a população "face à estranheza de uma ameaça que pode vir do contacto com o outro".

A ideia de criar uma linha de apoio surgiu há cerca de duas semanas, quando um "miúdo" lhe disse, no final da consulta, que não sabia o que era pior, "se a epidemia do vírus, se a epidemia do afeto", contou a psiquiatra e pedopsiquiatra, em declarações telefónicas à Lusa.

"As pessoas estão muito aflitas, muito ansiosas com esta situação que estamos a viver", observa.Entre as pessoas, os pais "estão também com muita dificuldade em explicar isto aos miúdos", relata.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

"Os pais estão com tanta dificuldade (...) que depois a transmissão à criança não é, certamente, a melhor. Ou não falam, ou de alguma maneira transmitem as suas angústias. É complexo e (...) é importante, do ponto de vista preventivo, fazer já alguma coisa", justifica.

Luísa Branco Vicente não tem "dúvida nenhuma" de que a atual situação de pandemia e isolamento social será uma agravante para a saúde mental dos portugueses e já se começam a detetar "preocupações em termos económicos".

Ora, para os profissionais de saúde mental, é importante que esta vivência em quarentena "não se organize como um trauma", nomeadamente para as crianças.

Existe "informação muito mal passada, quer aos pais, quer às crianças", o que "está a gerar uma grande inquietação", analisa a psiquiatra.

A ideia da linha de apoio é "ouvir, conter, devolver, para tranquilizar as pessoas", sendo que é importante as pessoas "não se intoxicarem com notícias, notícias, notícias, que lhes aumentam o estado de ansiedade", recomenda.

Em menos de 48 horas, Luísa Branco Vicente recebeu o apoio de 60 voluntários. A linha de apoio (300 051 920) dirige-se à população, mas também a profissionais de saúde, e está a funcionar há dois dias, com cobertura nacional.

Para além de gratuita, é anónima e confidencial. Com horário de funcionamento entre as 08:00 e as 24:00, durante os dias de semana, quem liga pode optar por falar com psicólogos, psiquiatras ou pedopsiquiatras. O apoio pode ser facultado a famílias, adultos, idosos, crianças. E tem a particularidade de incluir a hipótese "pais para falarem com crianças".

"Consideramos que é nosso dever, enquanto cidadãos e enquanto técnicos de saúde mental - psicanalistas, prosseguir um trabalho de qualidade de intervenção em crise", escreve, na carta aos sócios, Luísa Branco Vicente, sublinhando que a psicanálise é "profundamente humanista".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais 505 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 23.000.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito na quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

Veja também:

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino