Coronavírus

O que é o hantavírus? Mensagens espalham o medo nas redes sociais

Dado Ruvic

Uma morte na China devido a este vírus está na origem do fenómeno.

Saiba mais...

Mensagens fraudulentas sobre um novo surto semelhante ao novo coronavírus estão a circular no WhatsApp e noutras redes sociais. Os textos fazem referência ao hantavírus e lançam o alerta para uma ameaça semelhante à da pandemia de Covid-19.

Um homem morreu na China, na segunda-feira, devido ao hantavírus, um vírus que se espalha por roedores, mas especialistas dizem que é altamente improvável que se transforme noutra pandemia.

Os avisos que circulam na internet são exagerados. Os peritos explicam que o hantavírus pertence realmente a uma família perigosa de vírus, mas que ainda assim não é comparável ​​ao novo coronavírus.

O jornal The Global Times divulgou a notícia sobre a morte de um homem da província de Yunnan, quando estava de regresso a Shandong. A publicação no Twitter do Global Times parece ter desencadeado o pânico e foi compartilhada milhares de vezes em apenas algumas horas.

"Ele foi testado positivo para hantavírus. Outras 32 pessoas no autocarro onde viajou também foram testadas", refere o porta-voz do Partido Comunista Chinês, citado pelo The Global Times.

Embora o relato de uma morte devido ao hantavírus seja verdadeiro, qualquer sugestão de que seja semelhante ao novo coronavírus é considerada infundada.

O hantavírus não é novo, é conhecido há décadas e é potencialmente ativo por mais tempo, mas não se transmite facilmente entre humanos. O contágio só acontece caso sejam consumidos fluidos corporais de roedores.

Gerald Herbert/ AP

As mensagens falsas e mal intencionadas parecem estar a tentar aproveitar o medo em torno da pandemia do novo coronavírus para incentivar as pessoas a compartilhar informações ainda mais preocupantes.

O facto é que os casos de hantavírus são bastante raros. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) esclarece que apenas 728 casos de hantavírus foram registados no país, entre 1993 e 2017.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Veja também:

  • 3:13