Coronavírus

Rússia liberta 16 mil milhões de euros para combater pandemia

Evgenia Novozhenina/ Reuters

Entre as medidas está o auxílio às pequenas e médias empresas, com uma moratória de pagamentos de impostos e uma proibição de congelamento das suas contas.

Especial Coronavírus

A Rússia vai libertar 1,4 mil milhões de rublos (cerca de 16 mil milhões de euros) para combater a pandemia do coronavírus e os seus efeitos económicos, anunciou esta quarta-feira o Governo.

Entre as medidas anunciadas esta quarta-feira pelo primeiro-ministro russo, Mikhail Michoustin, está o auxílio às pequenas e médias empresas, com uma moratória de pagamentos de impostos e uma proibição de congelamento das suas contas, para além de apoio a pessoas insolventes, permitindo-lhes libertarem-se de algumas obrigações fiscais.

Michoustin anunciou ainda medidas para apoiar os governos regionais, que estão sempre muito dependentes do Governo central, para que possam compensar as perdas orçamentais devido à queda de receitas fiscais.

Há duas semanas, o primeiro-ministro russo já tinha anunciado um pacote de medidas para a apoiar a economia, no valor de cerca de 3,5 mil milhões de euros.

Também o Presidente russo, Vladimir Putin, tinha ordenado já ao Governo para adiar impostos e créditos a pequenas e médias empresas, durante seis meses.

A Rússia tem adotado medidas drásticas para a contenção da pandemia covid-19 em várias regiões russas, onde já se verificaram quase 3.000 casos de contaminação e 24 mortes.

A economia russa, que tinha tido um ano de 2019 com mau desempenho, deverá comprometer seriamente as suas esperanças de recuperação em 2020, especialmente porque o país está muito dependente das receitas do petróleo, cujo preço atingiu mínimos históricos esta semana.

SIGA AQUI AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 866 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 172.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.