Coronavírus

Costa "realista" face aos "otimistas que antecipam que chegámos ao planalto"

Costa "realista" face aos "otimistas que antecipam que chegámos ao planalto"

Ana Geraldes

Ana Geraldes

Jornalista

Primeiro-ministro prefere a cautela de acompanhar, dia a dia, a evolução da situação em Portugal.

Especial Coronavírus

António Costa anunciou a decisão sobre os próximos meses de escola para os alunos em Portugal, mas garante que não faz futurologia.

"A pior coisa que nós podemos fazer é pormo-nos a adivinhar o futuro da evolução desta pandemia". Isto perante os efeitos da curva e o número de casos dos últimos dias que levaram a que muitos especialistas tenham vindo dizer esta semana que Portugal já pode ter atingido o pico.

Costa prefere a cautela e diz que não só não sabe como a capacidade de previsão dos especialistas está muito "condicionada" pelo facto deste ser "um vírus novo" e pelo comportamento que pode ter. Mas não quer isto dizer que não tenha registado o que disseram: "sabemos que estamos há três dias com um ritmo de crescimento na casa dos 6%. Seguramente, alguns otimistas antecipam que chegámos ao famoso planalto", o que para o primeiro-ministro também significa que "se nos mantivermos disciplinados e determinados", o caminho pode ser "mais rápido até ao sopé".

Contudo, há também "outros, mais pessimistas" que António Costa lembra que defendem que "não é seguro que tenhamos atingido o planalto". Na dúvida, o primeiro-ministro opta por ser "realista" no acompanhamento dos números, dia a dia, repetindo o mote "desejando o melhor, preparando-me para o pior".

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO TODA A INFORMAÇÃO SOBRE A COVID-19

ESPECIAL NOVO CORONAVÍRUS COVID-19