Coronavírus

Área Metropolitana de Lisboa: centros comerciais não abrem já e ajuntamentos limitados a 10 pessoas

Rafael Marchante

Governo faz avaliação positiva no país, mas diz que há preocupação com Lisboa.

Especial Coronavírus

O primeiro-ministro reconheceu esta sexta-feira que a avaliação do desconfinamento é positiva para a generalidade do país, mas "motivo de preocupação" na evolução na Área Metropolitana de Lisboa.

Perante o aumento de casos na região, António Costa anunciou um plano diferente do resto do país para a Área Metropolitana de Lisboa.

Os centros comerciais e as lojas de cidadão vão continuar fechados até dia 4 de junho, ao contrário do resto do país, que podem abrir no primeiro dia do mês. Vai haver um reforço da vigilância epidemiológica nas obras de construção civil e trabalho temporário.

Os ajuntamentos estão limitados a 10 pessoas e os veículos privados de transporte de passageiros também terão regras.

Construção Civil e empresas de trabalho temporário com regas mais apertadas

Área Metropolitana de Lisboa:

- Reforço da vigilância epidemiológica:

  • Obras de construção civil;
  • Trabalho temporário;

- Planos de realojamento de emergência;

- Ajuntamentos limitados a 10 pessoas;

Veículos privados de transporte de passageiros:

- Lotação máxima de 2/3 dos passageiros

- Uso obrigatório de máscara

Até dia 4/06:

- Permanecem encerrados:

  • Centros comerciais
  • Lojas de cidadão

- Por decisão camarária:

  • Lojas com mais de 400m2
  • Feiras

Os concelhos que fazem parte da Área Metropolitana de Lisboa:

Almada, Alchochete, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra, Vila Franca de Xira.

Veja aqui o plano da terceira fase de desconfinamento para o resto do país.

Desconfinamento em Lisboa e Vale do Tejo vai ser reavaliado a 4 de junho

António Costa espera que o reforço das medidas para controlar os surtos já identificados permita o levantamento das restrições, tal como no resto do país.