Coronavírus

Auditoria a surto em Reguengos de Monsaraz. “Todos os contributos são bem-vindos"

NUNO VEIGA

Governo diz que as autoridades de saúde regionais e locais são as mais responsáveis.

Especial Coronavírus

O Governo diz que a auditoria da Ordem dos Médicos ao surto no lar de Reguengos de Monsaraz é bem-vinda, assim como todos os contributos que ajudem as autoridades de saúde a lidar com a pandemia.

Em causa está uma auditoria que aponta responsabilidades à administração do lar de Reguengos e à Administração Regional de Saúde do Alentejo.

Lar de Reguengos de Monsaraz não tinha plano de contingência

A 18 de julho foi detetado um surto de Covid-19 no lar da Fundação Maria Inácia Silva, em Reguengos de Monsaraz, que se alastrou para a comunidade, resultando na morte de 18 utentes da instituição.

Uma auditoria realizada pela Ordem dos médicos revela que o lar não tinha plano de contingência nem quadro de médicos e enfermeiros, tal como é obrigatório por lei.

Conclui também que durante os primeiros nove dias do surto, não se isolaram os utentes infetados nem os casos suspeitos, partilhando espaços, quartos, corredores e casas de banho durante vários dias.

No lar, foram contaminados 80 utentes e 26 profissionais, mas a doença propagou-se à comunidade e infetou outras 56 pessoas.

A vida dentro do lar de Reguengos de Monsaraz

A SIC visitou o lar, que sofreu obras de remodelação, e vive uma nova normalidade bastante afetada por tudo o que aconteceu.

Veja também: