Coronavírus

Rússia produz mais de 15 mil doses da vacina contra o novo coronavírus

RDIF HANDOUT

Campanha de vacinação em massa contra a Covid-19 começará dentro de um mês.

Especial Coronavírus

A produção do primeiro lote da vacina russa Sputnik V, criada pela Rússia contra a Covid-19, ultrapassou as 15 mil doses, declarou esta segunda-feira a assessoria de imprensa da farmacêutica Binnopharm.

Na última sexta-feira foi anunciado o início da produção em série da vacina, sem ser especificada a quantidade, mas esta segunda-feira a empresa revelou que "o primeiro lote industrial da vacina foi de 15.500 doses", segundo a agência de notícias russa TASS.

No domingo, a Rússia anunciou que a campanha de vacinação em massa contra a Covid-19 começará dentro de um mês.

O diretor do Centro de Microbiologia e Epidemiologia Gamaleya, Alexandr Ginzburg, que desenvolveu a primeira vacina registada no país contra a doença, indicou que nos próximos sete ou dez dias começarão os estudos pós-registo.

Guinzburg destacou que os estudos vão durar entre quatro e seis meses, mas que isso não será obstáculo para o início da vacinação em massa da população, que, como declararam as autoridades do país, será voluntária.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recebeu com cautela a notícia de que a Rússia havia registado a primeira vacina do mundo contra a covid-19, lembrando que esta, como as demais, deve seguir os procedimentos de pré-qualificação e revisão estabelecidos pela agência.

A vacina russa não estava entre as seis que a OMS referiu, na semana passada, como sendo as mais avançadas.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira que a Rússia "saltou alguns testes" ao desenvolver a vacina e garantiu que o seu país não fará o mesmo.

O diretor dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, Francis Collins, chegou a dizer que a decisão dos investigadores da vacina russa de pular etapas - "partes fundamentais" no processo de aprovação - era comparado a uma "roleta russa".

Veja também: