Coronavírus

Surto em Mora é "complexo". O essencial da conferência da DGS

MIGUEL A. LOPES

Há menos infeções nos lares e há um novo boletim dos números diários.

Especial Coronavírus

O número de pessoas infetadas com Covid-19 na vila de Mora, no distrito de Évora, subiu hoje 42, depois de o surto ter sido detetado há uma semana com três casos.

A maioria dos restaurantes e cafés da vila estão fechados, assim como alguns serviços públicos e a população admite estar preocupada.

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou esta segunda-feira que ainda é cedo para apurar a origem e as cadeias de transmissão do surto em Mora. Na habitual conferência de imprensa, reconheceu que se trata de um surto complexo.

DGS lança novo boletim

António Sales, Secretário de Estado da Saúde, anunciou que a Direção-Geral da Saúde lançou um novo boletim, com informação mais detalhada e com uma nova apresentação.

Segundo o membro do Governo, o objetivo é tornar a informação mais simples e acessível a todos. A partir de hoje, os boletins vão incluir o reporte das variações diárias e também o número de casos ativos.

Menos lares com casos de infeção

A situação dos lares continua a ser acompanhada com atenção pelo Ministério da Saúde, afirma António Lacerda Sales. Há, neste momento, alguma estabilidade e a tendência continua a ser de diminuição das infeções.

Existem 70 estruturas residenciais para idosos com casos de infeção - menos 3% do universo total - com 542 utentes e 207 funcionários infetados. O secretário de Estado garante que a experiência tem levado a correções e melhorias.

Secretário de Estado não comenta relatório sobre lar de Reguengos de Monsaraz

António Lacerda Sales recusou-se a comentar o relatório da Ordem dos Médicos sobre o lar de Reguengos de Monsaraz, lembrando que os dados estão sob investigação do Ministério Público.

Acrescentou, porém, que este tipo de documentos é importante, não só para ajudar a apurar responsabilidades, mas "acima de tudo para ajudar a melhorar".

"Olhem para Mora e não façam a mesma coisa"

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Mora considera que o surto apareceu por causa do descuido da população da vila alentejana que deixou de ter os cuidados necessários, desvalorizando sintomas como febres altas.

Manuel Caldas de Almeida deixou um alerta para que a situação não se repita noutras localidades.

"População tem sido extremamente responsável"

O presidente da Câmara Municipal de Mora recusa que a população tenha relaxado durante o confinamento e diz que foram cumpridas as regras das autoridades.

"A população de Mora tem sido durante estes cinco meses extremamente responsável", disse Luís Simão, presidente da Câmara Municipal de Mora em entrevista à SIC Notícias.