Coronavírus

Presidente das Misericórdias questiona legitimidade da auditoria no lar de Reguengos de Monsaraz

NUNO VEIGA

Uma auditoria realizada pela Ordem dos Médicos concluiu que a instituição não tinha plano de contingência, nem quadro de médicos e enfermeiros.

Especial Coronavírus

Manuel Lemos, presidente das Misericórdias, questiona a legitimidade da auditoria feita pela Ordem dos Médicos ao lar da Fundação Maria Inácia Silva, em Reguengos de Monsaraz.

O presidente do organismo diz que só o Governo, e em especial o Ministério do Trabalho e da Segurança Social, tem autoridade para ordenar este tipo de investigação, acrescentando que os utentes do lar estão sob a alçada do Serviço Nacional de Saúde e que, por isso, a ida de médicos ao local é da responsabilidade dos centros de saúde.

"Médicos foram coagidos e intimidados para exercer a sua profissão no lar de Reguengos"

Armindo Ribeiro, secretário regional do Sindicato Independente dos Médicos do Alentejo, explicou esta terça-feira na Edição da Noite, da SIC Notícias, os pormenores sobre as ameaças de que foram alvo os médicos que se recusaram a trabalhar no lar de Reguengos de Monsaraz.

Veja também:

  • 21:07