Coronavírus

Jerónimo não quer que Festa do Avante seja alvo de discriminação

"Há concertos, festivais e cerimónias religiosas, mas não é aí que está o perigo. O perigo está na Festa do Avante." 

Especial Coronavírus

Jerónimo de Sousa voltou esta sexta-feira a reiterar a intenção de realizar a Festa do Avante.

Durante um jantar/comício em Nisa, no Alentejo, o secretário-geral do PCP garantiu que serão asseguradas todas as medidas sanitárias.

Jerónimo realçou ainda que não admite que a Festa do Avante seja alvo de uma discriminação em relação a outras iniciativas.

"Eles sabem que há milhares de pessoas que vão às praias, e bem, e fingem que não veem. Só veem o Avante. (Eles sabem) que há concertos, festivais e cerimónias religiosas, mas não é aí que está o perigo. O perigo está na Festa do Avante."


Concertos provocam braço-de-ferro entre DGS e PCP

É o principal entrave nas conversas entre a Direção Geral de Saúde e o Partido Comunistas. A DGS quer fazer cumprir as normas em vigor e exige lugares sentados nos concertos da Festa do Avante, sabe a SIC.

Fonte diretamente envolvida no processo adianta que o PCP tem resistido a aceitar esta medida e defende que o público deve estar de pé durante os concertos, respeitando o distanciamento social.

Esta é uma das últimas medidas que faltam fechar para que a DGS possa concluir o parecer sobre a Festa do Avante. Ao que a SIC apurou, o documento está praticamente concluído e deverá ser apresentado na próxima semana.