Coronavírus

Covid-19. Pfizer espera produzir 50 milhões de doses da vacina este ano

Farmacêutica anuncia que vacina contra a Covid-19 é "90% eficaz".

Especial Coronavírus

A norte americana Pfizer, em parceria com a alemã, BioNtech, anunciaram que a vacina que estão a desenvolver para a covid-19, tem uma eficácia de 90%.

As duas farmacêuticas dizem que a vacina não provocou efeitos secundários graves nos voluntários e que esperam poder produzir 50 milhões de doses, ainda este ano.

A Organização Mundial da Saúde diz que, a manterem-se as perspetivas, as primeiras doses poderiam ser distribuídas até março de 2021 pelas pessoas mais vulneráveis, o pessoal médico e hospitalar, e todos aqueles que estão na linha da frente do combate ao vírus.

PEDIDO DE APROVAÇÃO DE EMERGÊNCIA PREVISTO AINDA PARA ESTE MÊS

As farmacêuticas avançam ainda que contam dar entrada com o pedido de aprovação de emergência perante as autoridades de saúde dos EUA na terceira semana de novembro, "pouco depois de a etapa de segurança ser alcançada".

Os ensaios clínicos vão continuar, nomeadamente para a recolha de todos os dados referentes a 164 doentes que foram inoculados.

AS VACINAS MAIS PROMISSORAS NO COMBATE À COVID-19

Laboratórios por todo o mundo estão numa corrida contra o tempo para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. Há dezenas de equipas a testar várias candidatas a vacina, algumas estão mais avançadas e são promissoras, mas os cientistas avisam que nenhuma deverá estar pronta antes do fim deste ano ou mesmo no próximo ano.

Segundo o London School of Hygiene & Tropical Medicine, (que tem um gráfico que mostra o progresso das experiências) há 259 projetos e 54 estão na fase de ensaios clínicos, sendo que 10 estão na fase III - que consiste na inoculação da vacina em milhares de voluntários a fim de determinar se impede de facto a infeção.O projeto da Pfizer e da BioNTech é um dos mais promissores, a que se juntam o da Universidade de Oxford e AstraZeneca, da Moderna, dos laboratórios Sanofi e GSK, de vários projetos chineses, nomeadamente da CanSinoBIO que já obteve autorização para administrar a vacina em militares chineses.