Coronavírus

Covid-19. O apelo do Governo para o Natal

Armando Franca

"Há um decréscimo da doença neste momento, mas temos que manter a pressão sobre a cautela"

Especial Coronavírus

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou esta sexta-feira que este Natal "vai ser diferente garantidamente" e apelou para o "bom senso" dos portugueses nesta quadra para se conseguir "bons resultados" no combate à pandemia de covid-19.

Questionado no final de uma visita a duas unidades de saúde, em Matosinhos, no Porto, sobre como o Governo vai equilibrar os alertas de especialistas para o risco de aliviar as restrições no Natal e os partidos da oposição que pedem o contrário, o governante disse que "vai equilibrar como tem equilibrado, com medidas certas, no tempo certo e de uma forma moderada".

"Há um decréscimo da doença neste momento, mas temos que manter a pressão sobre a cautela, sobre a prevenção e, portanto, não podemos aliviar essa pressão", disse António Lacerda Sales.

Lembrou que a época de Natal é um período em que as famílias tentam encontrar-se e há uma maior mobilidade.

"O que nós pensamos e apelamos é ao bom senso dos portugueses (...) que percebem que este Natal tem garantidamente que ser diferente e, por isso, o bom senso dos portugueses com certeza conduzirá a bons resultados", vincou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, que hoje se deslocou ao Norte do país, no âmbito do acompanhamento da situação epidemiológica e resposta à pandemia na região.

A região Norte é a que regista o maior número de infeções por SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, totalizando 164.463 casos e 2.300 mortos desde o início da pandemia em março.

Covid-19. Menos de dois mil novos casos diários no Natal se regras se mantiverem

No Natal, Portugal deverá registar menos de dois mil novos casos diários de covid-19, segundo uma projeção da Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa divulgada esta quinta-feira.

Neste momento regista-se uma redução de 2,7% de novos casos diários, segundo dados avançados hoje pelo professor e epidemiologista Manuel do Carmo Gomes, durante uma reunião de avaliação da situação epidemiológica em Portugal.

Manuel do Carmo Gomes defendeu que a tendência de diminuição de novos casos se vai manter, apontando para uma redução diária a rondar os 2,5%.

"Penso que está ao nosso alcance", afirmou, sublinhando que para isso é preciso manter a "disciplina e medidas" para que não seja alterada a tendência que se vem registando.

"Com uma redução média diária de 2,5%, teríamos um Natal com menos de dois mil casos por dia", disse o especialista, que projetou três cenários possíveis para os tempos mais próximos.

Partidos e Presidente da República defendem abrandamento de medidas no Natal e Ano Novo

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu esta quinta-feira os partidos com assento parlamentar para discutir a renovação do Estado de Emergência.

Os partidos deverão manter o mesmo sentido de voto de há 3 semanas e por isso a renovação deverá mesmo avançar com um detalhe: o Presidente da República quer o país a celebrar o Natal e o Ano Novo e segundo vários partidos, deverá mover influências junto do governo para que as medidas sejam atenuadas durante essas duas datas.

Portugal em estado de emergência

Portugal está em estado de emergência desde 9 de novembro e até 8 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23:00 e as 05:00, enquanto nos fins de semana e feriados a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo, e entre as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira.

O país contabiliza pelo menos 4.803 mortos associados à covid-19 em 312.553 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).