Coronavírus

Covid-19. Portugal com mais 81 mortes e 2.905 casos nas últimas 24 horas

Pedro Nunes

Último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Saiba mais...

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 2.905 de infeção e mais 81 mortes associadas à doença covid-19, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde desta terça-feira,

Desde o início da pandemia morreram em Portugal 5.122 pessoas dos 327.976 casos de infeção confirmados.

Há menos 14 doentes internados nas Unidades de Cuidados Intensivos, totalizando 499. Em relação aos internamentos em enfermaria, há menos 104 pessoas internadas, totalizando agora 3.263.

A DGS refere também que as autoridades de saúde têm em vigilância 77.765 contactos, mais 267 em relação a segunda-feira, e que foram dados como recuperados mais 6.585, num total acumulado de 252.428 desde o início da pandemia.

Termina esta terça-feira a proibição de circular entre concelhos

Termina esta terça-feira às 23:59 proibição de circular entre concelhos em todo o território nacional, uma das restrições relacionadas com a pandemia de Covid-19. A medida só volta a estar em vigor na semana da passagem de ano.

Ir de um concelho para outro volta a ser permitido a partir das 00:00 desta quarta-feira.

O novo estado de emergência, decretado na passada sexta-feira, entra em vigor esta quarta-feira e vai prolongar-se até ao dia 23 de dezembro, mas não prevê limites à circulação entre concelhos, que só voltarão a existir entre os dias 31 de dezembro e 4 de janeiro

Mantêm-se no entanto as regras mais apertadas para os concelhos de risco muito elevado e extremamente elevado. Nestes concelhos continua a haver recolher obrigatório entre as 13h00 e a 5h00 nos próximos dois fins de semana. É também proibido circular na via publica entre as 23h00 e as 5h00 dos restantes dias da semana.

Na semana do natal, nos dias 24 e 25, a circulação na via pública pode ser feita até às 2h00. A medida mantém-se na noite de passagem de ano.

Ordem dos Médicos alerta: para o vírus não há Natal nem Ano Novo

A Ordem dos Médicos (OM) alertou esta terça-feira que para o novo coronavírus SARS-CoV-2 não existe Natal nem Ano Novo e que todas as reuniões são oportunidades de transmissão e infeção, por vezes com consequências irreparáveis.

Numa nota enviada às redações, o bastonário e o Gabinete de Crise da Ordem dos Médicos para a Covid-19, afirmam que o número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias, a nível nacional, se mantém "muito elevado", continuando a representar "um risco significativo para a segurança" de todos e a integridade do Serviço Nacional de Saúde.

"Neste período de maior festividade e proximidade familiar a adesão e o respeito pelas medidas de prevenção da transmissão da pandemia são essenciais e indispensáveis para protegermos os nossos familiares, e em particular os de maior risco, tais como os mais idosos e com doenças crónicas", lê-se no documento emitido pelos médicos.

A OM recomendou que quem tem febre ou queixas respiratórias, esteve em contacto com casos suspeitos ou confirmados ou testou positivo nos últimos 10 dias, mantenha o isolamento e respeite as normas para proteger a família.

"Adie viagens não essenciais, use sempre a máscara, lave frequentemente as mãos e evite aglomerados de pessoas, mesmo que sejam familiares ou amigos", apelou.

Veja também:

  • O exemplo inglês 

    Opinião

    Na década de oitenta, as tragédias de Heysel Park primeiro e de Hillsborough depois, atiraram a credibilidade do futebol inglês para a sarjeta.

    Duarte Gomes