Coronavírus

Covid-19. Ministra da Saúde admite transferir doentes para o estrangeiro 

ANTÓNIO PEDRO SANTOS

Em causa está a pressão nos hospitais causada pela pandemia de covid-19.

Saiba mais...

A ministra da Saúde revelou esta segunda-feira que está a ser equacionado transferir doentes para o estrangeiro, devido à grande pressão nos hospitais do país, causada pela pandemia de covid-19.

Em entrevista à RTP, Marta Temido afirmou que o Governo está a "acionar todos os mecanismos" a nível internacional, com o objetivo de garantir uma melhor assistência aos doentes infetados com o novo coronavírus.

"O Governo português está a acionar todos os mecanismos de que dispõe, designadamente no quadro internacional, para garantir que presta a melhor assistência aos utentes", confirmou a ministra.

Marta Temido reconheceu que Portugal tem "maiores constrangimentos geográficos" em relação a outros países do centro da Europa.

"Estamos num extremo de uma península e, portanto, com maiores constrangimentos geográficos, mas de qualquer forma, há mecanismos e há formas de obter auxílio e de enquadrar formas de colaboração e, naturalmente, que as estamos a equacionar", admitiu Marta Temido, reconhecendo que é preciso ter a "consciência de que a situação europeia é toda ela preocupante."

Hospitais da Grande Lisboa ultrapassaram limites de ocupação

Nos hospitais da região de Lisboa, a pressão não abranda. A ministra da Saúde, Marta Temido, admite que estão a ultrapassar a capacidade máxima. A ministra da Saúde, Marta Temido, acrescenta que o Governo está a trabalhar com grupos privados para assegurar mais camas.

"Mal conseguimos ter uma cama livre ela é rapidamente ocupada"

Em entrevista à SIC Notícias, o médico intensivista diz que a ocupação total de medicina intensiva ronda os 85% e há muitos locais onde o limite já foi atingido. João Gouveia diz que há muitos doentes a precisarem de medicina intensiva e é difícil dar resposta a todos.

Portugal continua o país com mais mortes e novos casos por milhão de habitantes

Portugal era esta segunda-feira o país em pior situação de novos casos e novas mortes por milhão de habitantes na média dos últimos sete dias, de acordo com sites que recolhem informação estatística sobre a pandemia da covid-19.

No site Our World in Data, Portugal surge como o país que teve nos últimos sete dias mais casos confirmados (1.142) por milhão de habitantes de contágio pelo novo coronavírus, de acordo com os dados compilados pela universidade norte-americana Johns Hopkins.

Segundo a mesma fonte, Portugal está também no topo da tabela de mortes por milhão de habitantes, com 27 por milhão nos últimos sete dias, seguido da Eslováquia (18,9) e Eslovénia (14,9).

Portugal registou esta segunda-feira mais 252 mortes por covid-19 e 6.923 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o relatório de situação da Direção-Geral da Saúde.

Desde o início da pandemia, Portugal contabilizou 10.721 mortes e 643.113 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

Quanto aos internamentos hospitalares, o boletim epidemiológico da DGS revelou que estão internados 6.420 doentes, mais 303 em relação a domingo, dos quais 767 em cuidados intensivos, mais 25.