Coronavírus

"A prioridade é que haja um desconfinamento gradual e que comece pelas escolas"

Entrevista SIC Notícias

Entrevista ao pediatra Paulo Oom, subscritor da carta enviada ao primeiro-ministro a pedir a reabertura das escolas.

Saiba mais...

Paulo Omm considera que o atual confinamento penaliza todas as crianças, mas principalmente as mais pequenas porque estão mais dependentes da presença física dos professores e dos colegas.

No entanto, o pediatra salvaguarda que o fecho das escolas afeta todas as faixas etárias e alguns alunos, mesmo aqueles que têm acesso a todas as ferramentas necessárias, podem sentir dificuldades.

Por isso, Paulo Omm assinou uma carta que foi enviada esta terça-feira ao primeiro-ministro António Costa, que defende a reabertura urgente, mas segura, das escolas.

"O que é referido nesta carta é que a abertura seja sequencial, que seja feita em segurança e isso implica rastreios com regularidade e implica que seja planeada. Com planeamento tudo é possível", disse.

De acordo com o médico, os problemas psicológicos têm-se acentuado e há cada vez mais crianças a chegarem aos hospitais com ansiedade - desenvolveram sintomas durante o confinamento - e com sintomas de depressão, uma vez que falta o convívio com os colegas.