Coronavírus

Hospital de Setúbal inicia consultas pós-covid-19 aos doentes internados

O objetivo é identificar consequências a longo prazo da doença.

Saiba mais...

A partir desta semana, o Hospital de Setúbal disponibiliza consultas pós-covid-19 aos pacientes que estiveram internados com a infeção causada pelo novo coronavírus. O objetivo é identificar de forma rápida eventuais consequências a longo prazo da doença.

Um ano depois da pandemia ter chegado a Portugal, é cada vez mais evidente que a covid-19 pode provocar sequelas que vão muito além do período da infeção. A comunidade científica tem pedido que se faça um acompanhamento dos doentes que já tiveram alta.

Apesar de ainda não ser possível identificar todos os efeitos que este vírus pode provocar a longo prazo, já é certo que há sintomas comuns em muitos doentes.

A ideia de que a covid-19 só se agrava em pessoas com mais idade ou com doenças graves está, cada vez mais, afastada pela realidade dos últimos meses. Quem trabalha em unidades covid-19 garante que é uma lotaria – que muitas vezes nem a medicina consegue explicar.

No primeiro dia de consultas pós-covid-19 no Hospital de Setúbal foram atendidos oito pacientes. O mais velho tinha 90 anos e o mais novo pouco mais de 40 anos.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros