Coronavírus

Covid-19. "Com a subida do Rt, estamos um bocadinho à beira do precipício"

Entrevista SIC Notícias

Henrique Oliveira, matemático e Professor Instituto Superior Técnico, em entrevista na Edição da Noite.

Saiba mais...

Henrique Oliveira, matemático e professor Instituto Superior Técnico, prevê uma situação "muito complicada" em Portugal, se as recomendações das autoridades de saúde não forem seguidas nos próximos tempos. Para já, segundo o especialista, o desconfinamento não teve efeitos severos, mas considera que é preciso cuidado.

"Com a subida do Rt, estamos um bocadinho à beira do precipício", afirma.

Na Edição da Noite, o matemático explica que esta quarta-feira era um dia "muito importante" para a avaliação da pandemia em Portugal, uma vez que à quarta-feira são conhecidos mais casos, depois de muitos laboratórios fecharem ao fim de semana.

"Esta quarta-feira ficaríamos a saber se o desconfinamento de 15 de março fez efeito ou não e, de facto, parece que o desconfinamento não agravou os números da incidência", explica.

No entanto, acrescenta que o índice de transmissibilidade (Rt) tem vindo a subir gradualmente: "Isso é muito preocupante".

Questionado sobre uma possível quarta vaga, o matemático diz que neste momento não há certezas. No entanto, alerta:

"Se na Páscoa vierem os emigrantes, se o controlo de fronteiras for pouco apertado e celebrarmos a Páscoa com muita gente à mesa vamos ter problemas", afirma, salientando que as novas variantes contribuem para o aumento de casos.

Para a próxima fase de desconfinamento, apela a um "cuidado extremo" e lembra que "temos de estar preparados para voltar atrás". No entanto, defende que, se os casos de covid-19 voltarem a disparar, as medidas devem ser tomadas por regiões.

Em entrevista na SIC Notícias, Henrique Oliveira critica a falta de estratégias para evitar o confinamento geral, que considera que já deviam existir desde outubro.

O especialista diz ainda que uma estratégia de testagem é "muito importante" no desconfinamento e defende que tem de haver um sistema de rastreamento de contactos com casos positivos.