Coronavírus

Covid-19. Johnson & Johnson supervisiona fábrica onde foram danificadas 15 milhões de vacinas

Um frasco da vacina da Johnson&Johnson para a covid-19

Jessica Hill

Na fábrica, foram misturados ingredientes das vacinas da Johnson & Johnson e da farmacêutica AstraZeneca.

Saiba mais...

A Johnson & Johnson vai supervisionar a fábrica da Emergent BioSolutions onde cerca de 15 milhões de doses da vacina da farmacêutica norte-americana foram danificadas durante a produção, foi este domingo divulgado.

Segundo o jornal The New York Times, trata-se de uma "medida extraordinária" do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, sigla em inglês), depois de ter sido divulgado que na instalação situada em Baltimore (Maryland) foram misturados ingredientes das vacinas da Johnson & Johnson e da farmacêutica AstraZeneca.

A decisão prevê igualmente que o laboratório já não produzirá a vacina da AstraZeneca, que ainda não obteve autorização da Administração de Alimentos e Medicamentos (Food and Drug Administration, FDA) para ser distribuída nos Estados Unidos.

Em comunicado, a Johnson & Johnson indicou no sábado que está a assumir "toda a responsabilidade quanto ao fabrico da substância farmacológica para a sua vacina covid-19 nas instalações da Emergent BioSolutions".

"A companhia está a juntar quadros dedicados às operações e à qualidade, e a aumentar significativamente o número de funcionários e técnicos de operações de fabrico e qualidade, para trabalhar com os especialistas da empresa que já estão na Emergent", afirma o comunicado, sem mais detalhes.

A farmacêutica, com sede em New Brunswick (Nem Jersey), sublinhou que as doses da sua vacina distribuídas até agora "cumpriram com os rigorosos padrões de qualidade da empresa e os regulamentos" e antecipou que, no final de maio, entregará "cerca de 100 milhões de doses individuais" ao Governo dos Estados Unidos.

"A empresa continua a trabalhar em estreita colaboração com a Food and Drug Administration dos Estados Unidos para garantir a autorização de uso de emergência das instalações da Emergent", acrescentou.

Na quarta-feira, a empresa anunciou ter identificado um lote que "não cumpria com os padrões de qualidade na Emergent Biosolutions" e assegurou que o processo de fabrico dessas vacinas não tinha chegado a ser finalizado.

Segundo o comunicado, a fábrica ainda não está autorizada a fabricar o fármaco para a sua vacina.

O The New York Times noticiou que a FDA ainda não entregou para distribuição nenhuma das doses da Johnson & Johnson fabricadas pela Emergent e adiantou que serão necessárias semanas até que receba autorização para distribuir as que já tenha produzido.

A fábrica da Emergent recebeu 628 milhões de dólares em junho de 2020 como parte da iniciativa liderada pela então administração de Donald Trump para desenvolver vacinas contra o coronavírus SARS-Cov-2, acrescenta o diário nova-iorquino.

Esta unidade foi contratada pela Johnson e Johnson e pela AstraZeneca, acrescentou.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros