Coronavírus

Covid-19. Governo anuncia reforço da testagem e fiscalização

FERNANDO VELUDO

Portugal tem 26 concelhos acima do limiar de risco.

Saiba mais...

A avaliação dos concelhos com maior taxa de incidência só vai ser feita daqui a duas semanas. O primeiro-ministro afirmou hoje, depois de uma reunião por videoconferência com os presidentes dos municípios do continente com incidência covid-19 acima dos 240 casos por 100 mil habitantes, que nestes concelhos foram detetados surtos em fábricas, habitações precárias e obras públicas.

Por essa razão, António Costa anunciou que vai ser feita uma aposta na testagem e fiscalização.

"Durante os próximos quinze dias haverá um reforço dos efetivos da Guarda Nacional Republicana, ou da Polícia de Segurança Pública, nos concelhos que têm mais de 120 casos por 100 mil habitantes, tendo em vista reforçar as ações de fiscalização", disse.

Vinte e seis concelhos estão acima do limiar de risco de incidência da covid-19, podendo não avançar no desconfinamento caso a situação se mantenha na próxima avaliação do Governo, segundo o boletim epidemiológico divulgado esta segunda-feira.

Estes concelhos registam um acumulado, nos últimos 14 dias, de mais de 120 casos por cada 100 mil habitantes, sete dos quais estão mesmo acima dos 240 novos casos por 100 mil habitantes.

"Convém não esquecer que a pandemia não passou"

A reabertura das esplanadas nos estabelecimentos de restauração e pastelaria está incluído na segunda fase do plano de desconfinamento, que iniciou esta segunda-feira.

O primeiro-ministro pediu contenção no uso das esplanadas e lembrou que a o "vírus ainda anda aí".

"É essencial que possamos viver este momento de reabertura com todas as cautelas. Convém não esquecer que a pandemia não passou", afirmou.

​​​​​​​

Costa e a relação com Marcelo: "Não há nenhum problema pessoal nem institucional"

António Costa não quer falar de maiores dificuldades nas negociações dos próximos Orçamentos do Estado. São especulações futuras, a que não quer dedicar-se.

O primeiro-ministro também não se pronunciou sobre a vontade manifestada pelo Presidente da República de salvar os próximos Orçamentos e garantiu que não há nenhum caso com Marcelo Rebelo de Sousa.