Coronavírus

Efeitos da Páscoa e do desconfinamento só vão ser sentidos nas próximas semanas

Os especialistas alertam que Portugal pode pisar a linha vermelha de casos no verão.

Saiba mais...

Portugal poderá pisar a linha vermelha de 120 casos de covid-19 por 100 mil habitantes no verão. Os especialistas acreditam que os efeitos da Páscoa e do desconfinamento vão ser sentidos nas próximas semanas e alertam que as próximas fases de desconfinamento podem ser adiadas.

Na mesa para avaliar se a terceira fase de desconfinamento avança estão diversos indicadores como o Rt - índice de transmissibilidade do vírus, que determina quantas pessoas um infetado contagia -, o número de camas ocupadas nos cuidados intensivos e o nível de incidência, que está em crescimento.

No verão Portugal pode pisar a linha vermelha

Os efeitos da Páscoa e do desconfinamento só vão ser conhecidos nas próximas semanas e, ainda sem esses números, a previsão aponta que a taxa de incidência chegue à linha vermelha já daqui a dois meses.

Atualmente, a taxa de incidência está nos 66 casos por 100 mil habitantes. A previsão da Direção-Geral da Saúde e do Instituto Ricardo Jorge é que chegue aos 120 casos no verão.

Quanto ao índice de transmissibilidade, o limite definido pelo Governo é 1, mas os dados do último relatório de monitorização das linhas vermelhas mostram que Portugal já está ligeiramente acima desse valor.

Olhando para as regiões, apenas o Alentejo está abaixo de 1. Já o Algarve, que há uma semana tinha um Rt de 1,19, baixou para 1,05.

Pressão nos serviços de saúde a diminuir

Em sentido contrário está o número de doentes internados nos cuidados intensivos. Há 113 camas ocupadas, valor inferior ao crítico definido de 245.

No relatório, a variante do Reino Unido é apontada como responsável por mais de 80% dos casos de infeção, e as variantes do Brasil e África do Sul por quase 3% dos casos. Apesar da transmissão ter aumentado nas faixas etárias mais jovens, o país regista, nesta altura, uma transmissão comunitária de moderada intensidade e uma reduzida pressão nos serviços de saúde.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia