A vacinação em Portugal e no Mundo

Covid-19. Posições diferentes dos 27 sobre as vacinas preocupam Marcelo

“Preocupa-me que a entidade reguladora dos medicamentos a nível europeu não tenha mais poder”.

A próxima reunião no Infarmed está agendada para terça-feira. Depois do encontro, o Presidente da República vai ouvir os partidos para decidir se envia, ou não, o decreto do Estado de Emergência para o Parlamento.

Esta tarde em Azeitão, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu estar preocupado por existirem decisões diferentes entre os países sobre as vacinas.

“Preocupa-me que a entidade reguladora dos medicamentos a nível europeu não tenha mais poder de tal forma que não se verifique que cada estado europeu tem uma posição sobre as vacinas. Quando o regulador diz uma coisa, é de supor que isso abrange todos os estados”, afirmou o Presidente.

Ministros da Saúde da UE não chegam a acordo sobre AstraZeneca

Os ministros da Saúde europeus não chegaram a uma posição comum sobre a vacina da AstraZeneca contra a covid-19. Durante a videoconferência extraordinária que decorreu na quarta-feira, os 27 mostraram ter interpretações diferentes sobre as mais recentes conclusões da Agência Europeia do Medicamento.

A ministra Marta Temido apelou à maior coordenação possível em matéria de vacinação, defendendo que a decisão sobre a administração de vacinas deve ser técnica e não política.

A agência europeia divulgou que existe uma "possível relação" entre a vacina contra a covid-19 da farmacêutica AstraZeneca e a formação de "casos muito raros" de coágulos sanguíneos, mas insistiu nos benefícios do fármaco face aos riscos de efeitos secundários, dada a gravidade da pandemia.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia