Coronavírus

Empresas de Odemira com 10 ou mais trabalhadores obrigadas a ter registo diário de funcionários

Muitos dos trabalhadores vivem em condições sanitárias e de habitação degradantes.

Saiba mais...

A maioria dos trabalhadores agrícolas de Odemira é imigrante e vive em condições precárias.

Aqui a pandemia chama-se desemprego e baixos salários. Muitos viajaram mais de 9 mil quilómetros, desde o Bangladesh, Índia e Nepal, para fugir à pobreza e são contratados às centenas para os campos agrícolas. Em época de campanha da atividade agrícola da região, o número de pessoas pode duplicar.

Os trabalhadores dependem da honestidade das empresas de trabalho temporário e há casos de imigrantes deixados para trás pelas empresas que os contratam.

Em Odemira, os surtos de covid-19 na agricultura obrigaram ao reforço das medidas de segurança e de controlo epidemiológico. A partir desta sexta-feira todas as empresas, com 10 ou mais trabalhadores, passam a estar obrigadas a ter um registo diário de todos os funcionários.

VEJA TAMBÉM:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros