Coronavírus

Covid-19. Testes rápidos de antigénio passam a ser 100% comparticipados 

Eric Gaillard

Medida entra esta quinta-feira em vigor, mas tem exceções.

Saiba mais...

Os testes rápidos de antigénio vão passar a ser 100% comparticipados pelo Estado a partir desta quinta-feira, e cada pessoa poderá fazer até quatro por mês.

Em causa estão os testes rápidos de antigénio para detetar a covid-19 realizados em farmácias e laboratórios.

A medida, que entra esta quinta-feira em rigor, foi publicada esta quarta-feira em Diário da República e define um valor máximo de 10 euros por teste. Ou seja, este é o valor máximo que farmácias ou laboratórios poderão cobrar ao Estado.

No entanto, o regime previsto na portaria não se aplica a utentes:

  • "Com certificado de vacinação, que ateste o esquema vacinal completo do respetivo titular, há pelo menos 14 dias, com uma vacina contra a COVID-19 com autorização de introdução no mercado;
  • Com certificado de recuperação, que ateste que o titular recuperou de uma infeção por SARS-CoV-2, na sequência de um resultado positivo num teste molecular de amplificação de ácidos nucleicos (TAAN) realizado há mais de 11 dias e menos de 180 dias;
  • Menores de 12 anos."

De acordo com a portaria, a medida é aplicada pelo Governo devido não só à atual situação pandémica que Portugal está a passar, mas também para "facilitar o acesso dos cidadãos à emissão do Certificado Digital Covid da UE".

O resultado dos testes à covid-19 será depois "comunicado ao utente e registado no sistema SINAVElab".

Portugal com mais 4 mortes e 2.362 casos de covid-19 em 24 horas

Portugal contabiliza esta quarta-feira mais 4 mortes e 2.362 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.096 mortes e 879.557 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta quarta-feira ativos 33.471 casos, mais 1.337 em relação a ontem.

O boletim da DGS revela que estão internados 504 doentes, mais 12 do que no dia anterior.

Nos cuidados intensivos estão 120 doentes, mais um.

Os dados indicam ainda que mais 1.021 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 828.990 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.