Coronavírus

Covid-19. Nível de risco da matriz passa para 480 casos por 100 mil habitantes

Sungjae Cho / EyeEm

Alteração na matriz de risco tinha sido sugerida pelos especialistas na reunião no Infarmed e foi, esta quinta-feira, confirmada pelo primeiro-ministro.

Saiba mais...

O nível de risco na matriz de monitorização da pandemia de covid-19 passa a fixar-se em 480 casos por 100 mil habitantes a 14 dias em vez dos atuais 240, segundo a decisão do Conselho de Ministros.

De acordo com o portal do Governo para a covid-19 na Internet, "a monitorização da evolução da pandemia continuará a ser feita com base nos indicadores de incidência e Rt [índice de transmissibilidade], agora adaptados de acordo com a evolução da vacinação (nível de alerta passa para 240, nível de risco passa para 480)".

Paralelamente, vão continuar a ser divulgadas semanalmente pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e pelo Instituto de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) as informações relativas à transmissão (incidência, Rt e positividade de testes), gravidade (incidência em maiores de 65 anos) e taxa de ocupação de enfermarias e unidades de cuidados intensivos no Serviço Nacional de Saúde.

A alteração na matriz de risco havia sido sugerida pelos especialistas na reunião no Infarmed, na terça-feira, e foi esta quinta-feira confirmada pelo primeiro-ministro.

"Vamos deixar de fazer a associação das medidas semanalmente adotadas em função da evolução da matriz, não se justifica nesta fase da taxa de vacinação", afirmou António Costa, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros.

Sobre a taxa de incidência da covid-19, cujos dados de 28 de julho apontavam para 439,3 casos por 100 mil habitantes a 14 dias (e um Rt de 1,01), o líder do Governo enfatizou a tendência de descida registada já na última semana com o auxílio de gráficos no 'briefing' aos jornalistas.

A incidência calculada em relação aos últimos sete dias estimou uma taxa de 226,2 casos para o dia 22 de julho, valor que caiu para 196,2 na quarta-feira.

Evolução na matriz de risco deixa de estar associada às medidas semanais

A matriz de risco utilizada pelo Governo para monitorizar a evolução da covid-19 vai deixar de estar associada às medidas adotadas semanalmente para controlo da pandemia, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro, justificando a alteração com a taxa de vacinação.

"Vamos deixar de fazer a associação das medidas semanalmente adotadas em função da evolução da matriz, não se justifica nesta fase da taxa de vacinação", revelou António Costa, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, sublinhando, porém, que vão ser tidos em conta "os diferentes alertas, seja a taxa de incidência, o ritmo de crescimento, a pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde ou a taxa de mortalidade".

CONSULTE AQUI O NOVO PLANO PARA O DESCONFINAMENTO EM PORTUGAL

VEJA TAMBÉM: