Eleições nos EUA

Eleições nos EUA. Processos judiciais de Trump rejeitados na Geórgia e Michigan

Carlos Barria

"Estas ações não precisam de ter sucesso. Esse não é o objetivo... É criar uma oportunidade para enviarem informações falsas sobre o que está a acontecer no processo eleitoral"

Os juízes na Geórgia e Michigan rejeitaram os processos judiciais apresentados pela campanha de Donald Trump, contrariando a estratégia de ataque à integridade do processo eleitoral em estados cujos resultados podem ditar a derrota do presidente nas eleições.

As decisões foram tomadas numa altura em que o candidato democrata, Joe Biden, se aproxima dos 270 votos no Colégio Eleitoral, necessários para ganhar a Casa Branca, e enquanto Donald Trump e a sua equipa se preparam para apresentar mais ações legais com base em alegadas fraudes eleitorais.

Segundo um advogado da campanha de Joe Biden, as ações judiciais sem resultados são mais uma estratégia política do que legal, noticia a agência AP.

"Quero realçar que, como propósitos, estas ações não precisam de ter sucesso. Esse não é o objetivo... É criar uma oportunidade para enviarem informações falsas sobre o que está a acontecer no processo eleitoral", atirou Bob Bauer, que acusa a campanha de Trump de "continuamente alegar irregularidades, falhas no sistema e fraude sem qualquer fundamento".

"Todos os recentes Estados reivindicados por Biden serão legalmente contestados por nós por fraude eleitoral"

O advogado falava poucas horas antes de Donald Trump publicar na rede social Twitter: "Todos os recentes Estados reivindicados por Biden serão legalmente contestados por nós por fraude eleitoral e fraude eleitoral estatal. Muitas provas - basta verificar a comunicação social. Vamos ganhar! América First! [em português, América em primeiro lugar]".

O presidente dos Estados Unidos está habituado a processar e a ser processado.

Segundo uma análise do jornal USA Today, quer o republicano, quer as suas empresas, estiveram envolvidos em pelo menos 3.500 ações judiciais estatais e federais nas três décadas anteriores à usa presidência.

As batalhas judiciais durante as eleições presidenciais tem sido um esforço em pequena escala para examinar de forma mais próxima os funcionários eleitorais locais enquanto estes processam os boletins de voto por utilizar.

Na Geórgia, um juiz indeferiu uma ação que manifestava preocupações com 53 boletins de voto no condado de Chatham, após as autoridades eleitorais terem testemunhado que todos esses votos tinham sido recebido a tempo.

Na Pensilvânia, a campanha de Trump ganhou uma ação judicial que apelava para que os observadores do partido e das eleições se aproximassem dos trabalhadores eleitorais que estão a processar os votos por correio em Filadélfia.

Mas esta ação não afetou a contagem de votos que já estava em andamento na Pensilvânia e em outros lugares, visto que as autoridades eleitorais estão a lidar com um grande número de votos por correio, motivado pelo medo de votar presencialmente devido à pandemia.

Biden apela à calma, Trump acusa democratas de tentarem roubar a eleição

Enquanto Joe Biden apela à calma e pede que todos os votos sejam contados, a campanha de Trump acusa os democratas de tentarem roubar a eleição, embora não haja evidências de que algo esteja a acontecer.

O diretor de campanha de Donald Trump, Bill Stepien, disse em declarações aos jornalistas na manhã de quinta-feira que "todas as noites novos votos "são misteriosamente encontrados em sacos".

O porta-voz da campanha de Trump, Jason Miller, acrescentou que mais ações legais são esperadas e terão como objetivo permitir aos oficiais de campanha o acesso aos locais onde os votos estão a ser contados.

A campanha do republicano já anunciou que irá pedir uma recontagem dos votos em Wisconson, relatando "irregularidades", sem fornecer mais detalhes.