Furacão Dorian

Passagem do furacão Dorian pelas Bahamas faz pelo menos 20 mortos

Passagem do furacão Dorian pelas Bahamas faz pelo menos 20 mortos

Furacão está a caminho dos Estados Unidos da América.

O balanço da passagem do furacão Dorian pelas Bahamas subiu de sete para 20 mortos, um número que pode ainda aumentar, anunciou na quarta-feira o ministro da Saúde deste arquipélago nas Caraíbas.

"O balanço passou para 20 mortos", declarou a uma rádio local Duane Sands, adiantando que 17 das mortes aconteceram nas ilhas Ábaco e três na ilha da Grande Bahama.

O ministro precisou que "as operações de salvamento e a exploração das casas que ficaram inundadas estão apenas a começar".

O Dorian afetou fortemente o arquipélago, sobre o qual permaneceu por muito tempo quase imóvel, com chuvas torrenciais.

Segundo o primeiro-ministro das Bahamas, Hubert Minnis, 60% de Marsh Harbour, a principal cidade das Ábaco, ficou destruída. O aeroporto ficou sob a água, com a pista inundada, e toda a zona parecia um lago.

As Nações Unidas indicaram na quarta-feira à noite que cerca de "70.000 pessoas precisam de ajuda imediata".

Os ventos severos e as águas castanhas e lamacentas destruíram ou danificaram gravemente milhares de casas, incapacitando a atividade de hospitais e deixando muitas pessoas presas em sótãos.

As Bahamas foram atingidas no domingo pelo mais forte furacão registado na história do arquipélago, que fustigou, principalmente, as ilhas Ábaco e Grande Bahama, com ventos até 295 quilómetros por hora e chuva torrencial, antes de seguir na terça-feira a sua rota em direção à Florida.

O furacão enfraqueceu para categoria 2, embora continue com ventos fortes de 175 quilómetros por hora, e segue agora em direção à costa sudeste dos Estados Unidos.

Vários milhões de pessoas na Florida, Geórgia e Carolina do Sul foram aconselhadas a sair dos locais próximos da costa, por onde Dorian deve passar.

Com Lusa

  • Leonel Pontes prefere Sporting a vencer, mesmo sem convencer
    2:18