Guerra Rússia-Ucrânia

NATO deixa aviso à Rússia sobre instalações de mísseis hipersónicos

NATO deixa aviso à Rússia sobre instalações de mísseis hipersónicos
WOJTEK RADWANSKI
Aliança Atlântica reitera que irá defender "cada centímetro do território aliado".

A NATO avisou esta sexta-feira a Rússia de que o destacamento de aviões de combate armados com mísseis hipersónicos para o enclave de Kaliningrado não ajuda a reduzir as tensões geopolíticas e garantiu que defenderá "cada centímetro do território aliado".

Um porta-voz da NATO explicou à agência noticiosa Europa Press que Kaliningrado é uma "área altamente militarizada, inserida na escalada militar da Rússia junto às fronteiras da NATO", neste caso, próximo da Polónia e da Lituânia, ambos países-membros da aliança.

"A brutal agressão da Rússia contra a Ucrânia alterou a situação de segurança na Europa e é difícil ver como este destacamento pode ajudar a reduzir as tensões", afirmou o porta-voz.

A NATO recordou ainda que reforçou as suas capacidades de dissuasão e defesa no lado oriental e que está a acompanhar de perto a situação na região.

De acordo com o porta-voz, a organização internacional "defenderá cada centímetro do território aliado", em conformidade com a política aplicada nos últimos meses na Ucrânia, em que a NATO evitou a intervenção direta na Ucrânia, atribuindo aos membros a responsabilidade de enviar armas para Kiev e repelir a ofensiva russa.

Na passada quinta-feira, o Ministério da Defesa russo anunciou o envio de três caças MiG-31 com mísseis hipersónicos Kinzhal para o aeródromo de Chkalovsk, que permanecerão em "serviço de combate 24 horas por dia" como parte das medidas estratégicas adicionais de dissuasão, de acordo com uma declaração de defesa enviada à agência noticiosa russa TASS.

A Rússia afirma que o Kinzhal tem um alcance de até 2.000 quilómetros e voa a 10 vezes a velocidade do som, dificultando a intercetação.

Estes mísseis de última geração têm sido usados para atingir vários alvos na Ucrânia, país que a Rússia invadiu a 24 de fevereiro.

O anúncio surge na sequência de críticas e ameaças de Moscovo a países que têm feito entregas de armas à Ucrânia, incluindo a Polónia e as nações do Báltico.

Segundo a Rússia, as entregas de armas pelos Estados Unidos e seus aliados para defesa da Ucrânia "prolongam o conflito" do país que invadiu.

Últimas Notícias
Mais Vistos