Guerra Rússia-Ucrânia

EUA, França, Alemanha e Reino Unido pedem envio de inspetores a central nuclear de Zaporíjia

EUA, França, Alemanha e Reino Unido pedem envio de inspetores a central nuclear de Zaporíjia
Future Publishing / Getty Images
Líderes falaram ao telefone sobre a central ucraniana

Os líderes norte-americano, francês, alemão e britânico exigiram este domingo o envio rápido de inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica à central nuclear ucraniana de Zaporíjia, a maior da Europa, ocupada desde março pelas tropas russas.

Os presidentes norte-americano, Joe Biden, e francês, Emmanuel Macron, assim como o chanceler alemão, Olaf Scholz, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, falaram ao telefone sobre o assunto.

"Numa chamada conjunta, o primeiro-ministro [Boris Johnson], o Presidente [Joe] Biden, o Presidente [Emmanuel] Macron e o Chanceler [Olaf] Scholz sublinharam o seu firme compromisso de apoiar a Ucrânia diante da invasão da Rússia", disse um porta-voz de Downing Street em comunicado.

"Realçaram a importância de garantir a segurança das instalações nucleares e saudaram as recentes discussões sobre a missão da IAEA [Agência Internacional de Energia Atómica] na central de Zaporíjia".

De acordo com um porta-voz de Scholz, os quatro líderes concordaram no envio rápido da missão de inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) à central, em redor da qual aumentaram os combates entre russos e ucranianos, fazendo ressurgir o receio de um desastre nuclear, pior do que o ocorrido na central de Chernobyl, em 1986.

Na sexta-feira, Emmanuel Macron afirmou que o homólogo russo, Vladimir Putin, aceitou a visita de inspetores da AIEA, agência da ONU, à central de Zaporijia.

Durante a conversa que mantiveram hoje ao telefone, Macron, Biden, Scholz e Johnson reiteraram o apoio à Ucrânia na "defesa contra a agressão russa".

Guterres diz que "situação em Zaporíjia é um perigo para todos nós"

Em entrevista exclusiva à SIC, o secretário-geral das Nações Unidas diz que a situação em Zaporíjia é uma preocupação para todo o mundo.

António Guterres espera que a Agência Internacional de Energia Atómica possa entrar em breve na central nuclear.

Loading...