Guerra Rússia-Ucrânia

Kuleba e Cravinho tiveram uma "conversa de amigos" em Kiev

Kuleba e Cravinho tiveram uma "conversa de amigos" em Kiev
Twitter
O ministro português está na capital ucraniana para uma visita oficial de um dia.

O chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kuleba, descreveu o encontro que manteve em Kiev, esta quarta-feira, com o seu homólogo português, João Gomes Cravinho, como uma conversa entre amigos que "estão preparados para se apoiar mutuamente".

João Gomes Cravinho chegou a Kiev para uma visita oficial de um dia que coincide com o 31.º aniversário da independência da Ucrânia, mas também com os seis meses da guerra que a Rússia iniciou em 24 de fevereiro.

"Foi uma conversa entre amigos que se entendem muito bem e que estão preparados para se apoiar mutuamente", disse Kuleba no final do encontro, em declarações recolhidas pela RTP.

Kuleba assinalou que a visita de Cravinho tem um significado especial por ocorrer num dia importante para a Ucrânia. Recordou que Cravinho esteve em Kiev há um ano, quando "representou Portugal na cimeira da Plataforma da Crimeia", a península ucraniana anexada em 2014 pela Rússia.

Na altura, João Gomes Cravinho era ministro da Defesa e assistiu também às comemorações oficiais dos 30 anos da independência da Ucrânia.

"Acabámos de conversar sobre o apoio que temos recebido de Portugal e de outros países da UE", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano sobre o encontro.

Kuleba disse que Cravinho também o informou sobre a comunidade ucraniana que vive em Portugal. "Louvou-a por ser uma parte importante da sociedade", disse.

Numa mensagem divulgada pouco depois de chegar a Kiev, João Gomes Cravinho disse que era portador de uma "mensagem de solidariedade, e de apoio político, militar, financeiro e humanitário" de Portugal.

No âmbito do apoio à Ucrânia, Portugal vai participar, com outros países, na reconstrução de escolas na região de Jitomir, a cerca de 150 quilómetros de Kiev, onde se estima que tenham sido destruídos cerca de 70 estabelecimentos de ensino.

A iniciativa integra-se num vasto plano de reconstrução que o Governo ucraniano divulgou em julho que prevê um investimento a 10 anos de 750.000 milhões de dólares (mais de 754.900 milhões de euros, ao câmbio atual).

O investimento inclui os custos das reformas necessárias relacionadas com a adesão da Ucrânia à União Europeia (UE).

A Ucrânia, que integrou a União Soviética, declarou a independência em 24 de agosto de 1991. O país foi invadido pela Rússia em 2014, de que resultou a anexação da Crimeia e uma guerra separatista apoiada por Moscovo nas regiões de Donetsk e Lugansk, no Donbass (leste).

A Rússia invadiu novamente a Ucrânia em 24 de fevereiro, para "desmilitarizar e desnazificar" o país vizinho, desconhecendo-se o custo dos primeiros seis meses de guerra em vidas humanas.

As duas partes têm anunciado baixas que infligem uma à outra, na ordem das dezenas de milhares, evitando mencionar as perdas próprias. No entanto, na segunda-feira, o chefe militar da Ucrânia, general Valeri Zaluzhnyi, admitiu a morte de cerca de 9.000 soldados ucranianos.

Últimas Notícias
Mais Vistos