Guerra Rússia-Ucrânia

Integridade física da central nuclear de Zaporijia "foi violada várias vezes”

Loading...
A Agência Internacional para a Energia Atómica garante que irá permanecer na maior central nuclear da Europa.

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, disse esta quinta-feira que já "viu o que precisava ver" durante a inspeção à central nuclear de Zaporijia, na Ucrânia, onde garantiu que a organização iria permanecer.

"Conseguimos, durante estas poucas horas, reunir muitas informações. Vi as principais coisas que precisava ver", disse Rafael Grossi aos jornalistas russos que acompanham a delegação de especialistas da AIEA nesta central ocupada pelas forças fiéis a Moscovo, no sul da Ucrânia.

A missão de especialistas da AIEA assegurou que ficará na central de Zaporijia, depois de a ter inspecionado, numa missão de alto risco destinada a evitar um desastre nuclear no local onde russos e ucranianos se acusam mutuamente de bombardeamentos.

"Conseguimos algo muito importante hoje [quinta-feira]. E o mais importante é que a AIEA vai ficar aqui. Que todos saibam que a AIEA vai ficar em Zaporijia", disse Grossi.

O responsável da organização, que lidera pessoalmente a missão de fiscalização de 14 pessoas, já tinha anunciado, na quarta-feira, a intenção de instalar uma "presença permanente" no local, que está no centro de fortes preocupações.

"Fizemos uma avaliação inicial. Vimos o trabalho dedicado dos funcionários e da direção. Apesar das circunstâncias muito, muito difíceis, eles continuam a trabalhar com profissionalismo", acrescentou o diretor da AIEA.

Loading...

À saída da central nuclear de Zaporijia, Rafael Grossi reforçou que a AIEA “está na central e não vai sair de lá”, mantendo uma “presença contínua” para realizar uma “análise detalhada de alguns dos aspetos mais técnicos”.

Preocupei-me, preocupo-me e vou continuar a preocupar-me com a central, até termos uma situação mais estável e mais previsível", disse o diretor, sublinhando que “é óbvio que a integridade física da central foi violada várias vezes”.

Em Kiev, o chefe do Comité Internacional da Cruz Vermelha, Robert Mardini, pediu a suspensão de todas as operações militares à volta da central, avisando que um ataque seria "catastrófico".

"Já é hora de parar de brincar com fogo e tomar medidas concretas para proteger este local", disse Mardini. Rússia e Ucrânia acusam-se mutuamente, há várias semanas, de colocarem em risco a central nuclear, que é a maior da Europa.

Um dos dois reatores em operação foi desligado devido a bombardeamentos que os ucranianos atribuem às forças russas, enquanto Moscovo acusa Kiev de ter enviado equipas de sabotagem para a central atómica.

A central está localizada ao longo do rio Dnieper, cuja margem esquerda é controlada neste setor por tropas russas.

Últimas Notícias
Mais Vistos