Guerra Rússia-Ucrânia

Putin vai falar aos russos: o que esperar do discurso à nação

Putin vai falar aos russos: o que esperar do discurso à nação
ALEXEY NIKOLSKY
Discurso está marcado para as 06:00 (hora de Lisboa) de quarta-feira.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, vai discursar na quarta-feira pelas 08:00 (06:00 em Lisboa). O discurso estava previsto para esta terça-feira, mas foi adiado, informou um antigo conselheiro do chefe de Estado.

Não foram adiantados mais pormenores, mas é esperado que declare oficialmente guerra contra a Ucrânia e anuncie a mobilização parcial de russos. Os referendos à anexação de quatro territórios ucranianos também devem fazer parte do discurso.

Regiões do Donbass anunciam referendo

Os territórios separatistas pró-russos da região de Donbass, na Ucrânia, vão realizar de 23 a 27 de setembro referendos para decidirem sobre a sua anexação pela Rússia, anunciaram esta terça-feira as autoridades locais.

Os escrutínios terão lugar nas regiões de Donetsk e Lugansk, cuja independência o Presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu pouco antes de lançar a sua ofensiva militar contra a Ucrânia, a 24 de fevereiro.

Nenhuma das regiões é totalmente controlada pela Rússia e a hipótese da sua integração na Rússia representaria uma grande escalada no conflito, que dura há quase oito meses.

Rússia terá perdido o controlo total de Lugansk

Loading...

A Ucrânia garante que a Rússia perdeu o controlo total da região de Lugansk, no leste do país. O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, diz que as forças de Moscovo estão a entrar em pânico perante o progresso da operação de reconquista ucraniana.

A tomada da província foi, desde o início da ofensiva, designada como uma das prioridades do Kremlin, assim como da vizinha Donetsk, controlada pelos dois lados.

A Ucrânia garante que este será o primeiro passo para a libertação das regiões ocupadas.

A contraofensiva, que ganhou força nos últimos dias em Kharkiv, progride agora, segundo Kiev, para o Donbass.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,2 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Últimas Notícias
Mais Vistos