Guerra Rússia-Ucrânia

Referendos em territórios ucranianos ocupados terminam esta terça-feira

Referendos pró-russos em Donetsk, Ucrânia.
Referendos pró-russos em Donetsk, Ucrânia.
ALEXANDER ERMOCHENKO

Os Parlamentos das autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, reconhecidas pelo Kremlin a 21 de fevereiro, convocaram um referendo de integração na Rússia entre 23 e 27 de setembro.

Os referendos sobre a adesão à Federação russa dos territórios ucranianos ocupados de Donetsk, Lugansk, Zaporíjia e Kherson terminam esta terça-feira, segundo as autoridades pró-russas, e serão objeto de discussão em reunião no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Os Parlamentos das autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, reconhecidas pelo Kremlin a 21 de fevereiro passado, convocaram um referendo de integração na Rússia entre 23 e 27 de setembro, ao qual se juntaram as regiões de Kherson e Zaporíjia, parcialmente sob domínio russo.

O anúncio oficial de realização dessas consultas populares para anexação dos territórios ucranianos sob ocupação russa foi feito num discurso à nação proferido na quarta-feira pelo Presidente russo, Vladimir Putin, juntamente com o da mobilização de 300.000 reservistas russos para combater na Ucrânia e de uma ameaça velada de utilização de armas nucleares contra o Ocidente.

De imediato surgiram críticas dos países ocidentais e organizações internacionais ao discurso de Putin, e o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou-se “profundamente preocupado” com os planos de Moscovo de efetuar referendos sobre a adesão à Federação russa de territórios ucranianos ocupados.

Numa reunião do Conselho de Segurança realizada na semana passada, Guterres sublinhou que "qualquer anexação do território de um Estado por outro Estado resultante da ameaça ou uso da força é uma violação da Carta da ONU e do direito internacional".

Com os países ocidentais a considerarem os supostos referendos um simulacro para assegurar o seu controlo pela Rússia, o Conselho de Segurança irá discutir novamente a questão em reunião hoje em Nova Iorque.

A convocação destas consultas populares nos territórios ocupados pelas forças russas segue-se ao referendo de adesão à Rússia realizado em 2014 pelas autoridades russófonas na Crimeia e cujo resultado legitimou a anexação da península por Moscovo.

Últimas Notícias
Mais Vistos