Guerra Rússia-Ucrânia

EUA anunciam pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar à Ucrânia

EUA anunciam pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar à Ucrânia
ANATOLII STEPANOV

Antes do início da invasão russa da Ucrânia em fevereiro deste ano, os EUA já prestavam assistência militar a Kiev e treino às suas forças armadas.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, informou o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, da concessão de um novo pacote de ajuda militar de 625 milhões de dólares (627,3 milhões de euros).

De acordo com um comunicado da Casa Branca, Biden, que estava acompanhado pela sua vice-presidente, Kamala Harris, durante a chamada com Zelensky, reiterou o apoio dos Estados Unidos da América (EUA) à defesa da Ucrânia contra a invasão russa pelo "tempo que for necessário".

A assistência dos EUA inclui quatro sistemas de foguetes de artilharia de alta mobilidade (HIMARS) e munições associadas; 16 Obuses de 155 mm (milímetros) e mais 16 Obuses de 105 mm; 75.000 munições de artilharia de 155 mm; 500 tiros de artilharia guiados com precisão de 155 mm e 30.000 tiros de morteiro de 120 mm, segundo informou o Departamento de Defesa em comunicado.

O pacote engloba ainda 1.000 munições de 155 mm de Sistemas Remotos de Mina Anti-Blindagem; 200 veículos protegidos contra emboscadas e resistentes a minas MaxxPro; 200.000 cartuchos de munição para armas pequenas; equipamentos de colocação de obstáculos; e munições antipessoal Claymore.

EUA disposto a impor "custos severos"

O Presidente norte-americano afirmou que o seu país está disposto a impor "custos severos" a qualquer indivíduo, entidade ou país que apoie os esforços da Rússia para anexar o território ucraniano.

Por outro lado, Biden comemorou o "sucesso" do acordo que permitiu a exportação "segura" de cereais ucranianos para os mercados internacionais e afirmou que é necessário que isso continue.

Antes do início da invasão russa da Ucrânia em fevereiro deste ano, os EUA já prestavam assistência militar a Kiev e treino às suas forças armadas, mas essa ajuda foi redobrada após o conflito atual.

Últimas Notícias
Mais Vistos