Guerra Rússia-Ucrânia

Ucrânia: força conjunta russo-bielorrussa é "puramente defensiva", diz Minsk

Ucrânia: força conjunta russo-bielorrussa é "puramente defensiva", diz Minsk
Contributor

Defesa da Bielorrússia acusa Kiev de preparar uma ofensiva.

A Bielorrússia afirmou hoje que a força militar que formou com a Rússia, sua aliada, é apenas defensiva, numa altura em que acusa Kiev de preparar uma ofensiva, levantando receios da uma intervenção direta no conflito na Ucrânia.

"Os objetivos do agrupamento de forças regionais são puramente defensivos. E todas as operações atualmente realizadas visam adotar uma reação adequada às ações levadas a cabo perto da nossa fronteira", disse o ministro da Defesa bielorrusso, Victor Khrenine, num comunicado.

O ministro frisou que esta força conjunta se destina a garantir a segurança nas fronteiras da Rússia e da Bielorrússia.

No dia anterior, o Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, disse ter concordado com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, sobre o destacamento deste agrupamento militar conjunto, sem dizer exatamente onde será destacado e qual a sua dimensão.

Acusou a Ucrânia e os seus aliados polacos e lituanos de prepararem ataques "terroristas" e uma "revolta" militar na Bielorrússia, treinando combatentes "radicais" bielorrussos para derrubar o poder.

Minsk, no entanto, nega que planeie enviar o seu exército, muito menor do que o de Moscovo, para lutar na Ucrânia ao lado dos russos.

"No Ocidente, infelizmente, cultiva-se a ideia de que o exército bielorrusso possa participar na operação militar especial na Ucrânia. Ao ceder a este tipo de desinformação, os líderes da NATO e de vários países europeus estão claramente a considerar a possibilidade de agressão contra o nosso país", disse hoje o secretário do Conselho de Segurança bielorrusso, Alexander Volfovich.

A Bielorrússia já permitiu o uso do seu território pelo exército russo para a ofensiva contra a Ucrânia, mas Minsk não está até agora diretamente envolvido nos combates em território ucraniano.

A entrada das forças bielorrussas no país vizinho marcaria uma nova escalada do conflito na Ucrânia, que dura há mais de sete meses.

Últimas Notícias