Guerra Rússia-Ucrânia

Putin fala em construção de centro de distribuição de gás russo na Turquia

Putin fala em construção de centro de distribuição de gás russo na Turquia
Contributor

Kremlin disse que a Turquia se mostrou "bastante interessada" na proposta da Rússia de fazer daquele país um centro de distribuição de gás russo para a Europa.

O Kremlin disse, esta quinta-feira, que a Turquia se mostrou "bastante interessada" na proposta da Rússia de fazer daquele país um centro de distribuição de gás russo para a Europa.

"O lado turco reagiu com considerável interesse a esta iniciativa Putin e os líderes deram instruções para analisar este assunto rapidamente", disse o porta-voz presidencial russo, Dmitri Peskov, após um encontro no Cazaquistão entre o Presidente russo, Vladimir Putin, e o seu homólogo turco, Recep Erdogan.

Putin propôs formalmente a Erdogan a criação de um centro de distribuição de gás russo na Turquia, para fornecer a países europeus, o que também permitiria a criação de uma plataforma para regular os preços energéticos considerados "exorbitantes".

O líder russo argumentou que a Rússia e a Turquia podem, em conjunto, criar "uma plataforma não apenas para o fornecimento de gás, mas também para determinar os preços, porque essa é uma questão muito importante".

"Hoje esses preços são exorbitantes, e poderíamos facilmente regulá-los a um nível normal de mercado", disse Putin a Erdogan.

O Presidente russo sublinhou que, em termos de hidrocarbonetos russos, incluindo gás, a Turquia é a “rota atualmente mais confiável para abastecer a Europa” através do gasoduto TurkStream, que transporta gás russo para a Turquia e para vários países do sul e sudeste da Europa.

O TurkStream, situado no Mar Negro, pode transportar até 31,5 mil milhões de metros cúbicos de gás anualmente, fornecendo energia para a Bulgária, Grécia, Sérvia, Roménia, Hungria e Macedônia do Norte.

O ministro da Energia russo, Nikolai Shulginov, disse hoje em Moscovo que é necessário não apenas negociar este projeto com a Turquia, mas também com países europeus "amigáveis".

O CEO da empresa estatal russa Gazprom, Alexei Miller- que acompanhou Putin na viagem a Astana, numa comitiva com vários empresários e banqueiros - disse que os dois países concordaram em agir rapidamente para determinar o cronograma das negociações sobre a proposta russa.

Últimas Notícias
Mais Vistos