Guerra Rússia-Ucrânia

Compreender o conflito: Putin tenta disfarçar derrotas no terreno

Compreender o conflito: Putin tenta disfarçar derrotas no terreno
Contributor/Getty Imagens

Artigo de Germano Almeida, comentador SIC.

1 – RÚSSIA E TURQUIA REFORÇAM RELAÇÕES NO GÁS, NOS CEREAIS E NA CENTRAL NUCLEAR – MAS DEIXAM PAZ DE FORA

A ideia de um grande centro de gás na Turquia para abastecimento de outros países é justificada por Putin por o território turco ser “a rota mais confiável para as remessas seguirem atualmente, mesmo para a Europa”. “Esse ‘hub’, que poderíamos criar juntos, seria uma plataforma, não só de abastecimento, mas também de determinação de preço, porque essa é uma questão muito importante: como tabelar os preços.

Hoje, esses preços são altíssimos; poderíamos facilmente regular a um nível normal no mercado, sem quaisquer implicações políticas.” Erdogan não comentou a sugestão de Putin mas fez outras propostas: o líder turco fez referência à construção russa da primeira central nuclear da Turquia, que Ancara espera inaugurar no próximo ano; Erdogan propôs que a Rússia construísse uma segunda central nuclear no norte da Turquia, num momento em que aproveitou para defender os crescentes laços comerciais de Ancara com Moscovo.

O presidente turc diz que o seu objetivo é alcançar rapidamente um cessar-fogo: "O nosso objetivo é manter o incentivo já alcançado, apesar das dificuldades no terreno, e alcançar quanto antes um cessar-fogo para travar o derramamento de sangue".

2 – FRANÇA INCIOU ABASTECIMENTO DE GÁS NATURAL À ALEMANHA

A França iniciou o abastecimento de gás natural diretamente para a Alemanha, no quadro do plano de solidariedade energética europeia implementado para superar o fim dos fluxos de energia da Rússia, disse hoje a companhia GRTgaz. Os primeiros envios de gás natural de França para a Alemanha começaram às 6 da manhã de quinta, através de um gasoduto que cruza a fronteira comum de Mosela / Medelsheim en Sarre. A distribuição vai ser “avaliada todos os dias, em função das capacidades da rede” e que têm uma capacidade máxima de 100 GWh/dia, disse a GFTgaz.

3 – LONDRES VAI FORNECER MUNIÇÕES COM CAPACIDADE PARA DERRUBAR MÍSSEIS DE CRUZEIRO

O Reino Unido vai fornecer à Ucrânia mísseis antiaéreos adicionais, incluindo pela primeira vez munições capazes de derrubar mísseis de cruzeiro. Os mísseis AMRAAM serão fornecidos "nas próximas semanas" a Kiev para uso pelo sistema de defesa aérea NASAMS prometido pelos Estados Unidos. A Alemanha e 13 aliados da NATO assinaram documento para compra conjunta de sistemas de defesa antiaérea, na categoria de sistemas como Arrow 3 e Patriot; juntaram-se à iniciativa países como a Alemanha, Grã-Bretanha, Eslováquia, Noruega, Letónia, Hungria, Bulgária, Bélgica, Chéquia, Finlândia, Lituânia, Países Baixos, Roménia e Eslovénia.

Enquanto isso, o chanceler alemão, Olaf Scholz, foi claro: a guerra da Rússia contra a Ucrânia faz parte de "cruzada maior contra o Ocidente".

4 – ZELENSKY QUER CRIAR “TRIBUNAL ESPECIAL” PARA JULGAR CRIMES DE GUERRA

Volodymyr Zelensky apelou à criação de um “tribunal especial” para julgar os crimes de guerra de Vladimir Putin.

Numa videoconferência com representantes do Conselho Europeu, o Presidente ucraniano apelou à Europa para “desempenhar um papel importante” na criação do novo órgão. Zelensky aproveitou também para voltar a pedir mais sistemas antiaéreos, afirmando que a Ucrânia tem apenas 10% dos sistemas de que precisa para defender o seu espaço aéreo.

5 – TRÊS DRONES RUSSOS ATINGIRAM BUCHA

Bucha, nos arredores de Kiev, foi atingida: foi um dos locais, no início de guerra, que expuseram os crimes de guerra do terror e da brutalidade russas. Volta a estar na mira dos bombardeamentos das forças de Moscovo. Três drones "kamikaze" russos foram lançado sobre Bucha, na noite de quarta para quinta. As explosões causadas pelos ataques deram origem a um incêndio; foram atingidas infraestruturas essenciais na cidade, embora não tenha sido adiantada informação sobre isso.

Também a cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, foi atingida por mísseis na madrugada desta quinta-feira. Segundo o presidente da Câmara, Oleksandr Senkevich, a cidade foi "massivamente bombardeada". Foi atingido um edifício residencial.

6 – TERRENO: RUSSOS DIZEM QUE ESTÃO ÀS PORTAS DE BAKHMUT

As forças pró-russas disseram que estavam às portas de Bakhmut, após capturarem duas aldeias perto desta cidade, no leste da Ucrânia, que tentam conquistar desde o verão. De acordo com uma mensagem publicada na rede social no Telegram pelos combatentes separatistas de Donetsk, as suas forças tomaram o controlo das aldeias de Opytne e Ivangrad, ao sul de Bakhmut, uma cidade que tentam capturar desde agosto, na única região onde as tropas de Moscovo estão a avançar neste momento.

O Exército ucraniano declarou que repeliu os ataques russos em Ivangrad, Bakhmut e outras aldeias mais ao sul nesta linha de frente da guerra na Ucrânia. Tropas russas atentam abrir novas linhas de combate, depois de recuo em Kherson: depois de um recuo na zona norte de Kherson, no início de outubro, as tropas russas tentam, neste momento, "consolidar uma nova frente de batalha a partir da localidade de Mylove, situada na mesma região.

Há fortes indícios de que a Rússia está a preparar a retirada de "alguns civis" de Kherson, "possivelmente antecipando a existência de combates na própria cidade de Kherson".

7 -- PUTIN DISSE QUE RÚSSIA ESTÁ PREPARADA PARA RETOMAR O FORNECIMENTO DE GÁS À EUROPA

O Presidente russo insiste na ideia, em tom de acusação infundada, de que as fugas nos gasodutos Nordstream foram "atos de terrorismo" promovidos pelos EUA.

Sobre a proposta russa de fazer da Turquia um "hub" para o gás a caminho da Europa, o ministro da Energia e Recursos Naturais da Turquia, Fatih Donmez, disse que ainda precisa de ser analisada, mas que é possível. Enquanto isso, Bruxelas avança com mecanismo temporário para limitar preços do gás na União Europeia. O primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, apelou aos cidadãos para uma “redução deliberada no consumo de eletricidade das 17h às 22h em toda a Ucrânia em 25%”, de forma a evitar apagões.

Macron diz que Putin deve “voltar à mesa das negociações” e aumenta as críticas em relação ao comportamento da Rússia. E o ministro alemão das Finanças, Robert Habeck, número dois de Scholz na chancelaria de Berlim, disse que a tentativa de Putin de “desestabilizar a ordem económica” falhará: “Putin falhará na sua tentativa de desestabilizar a ordem económica básica, da mesma forma que falhará no campo de batalha na Ucrânia”.

8 – ONU CONDENA “TENTATIVA DE ANEXAÇÃO ILEGAL” DA RÚSSIA DE TERRITÓRIOS UCRANIANOS

|| A Assembleia Geral das Nações Unidas condenou a “tentativa de anexação ilegal” da Rússia de quatro regiões parcialmente ocupadas na Ucrânia e apelou a todos os países para que não a reconheçam; dos 193 membros, 143 votaram a favor de uma resolução que também reafirmou a soberania, independência, unidade e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. Quatro países juntaram-se à Rússia para votar contra a resolução – Síria, Nicarágua, Coreia do Norte e Bielorrússia. Outros 35 países abstiveram-se na votação, incluindo a China

|| Ministro britânico afirma que Putin está “sozinho na cena internacional”: na sequência da condenação pelas Nações Unidas da “tentativa de anexação ilegal” da Rússia de territórios da Ucrânia, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico afirmou que a votação foi uma “importante demonstração de unidade internacional contra um agressor”. James Cleverly considera que esta é “uma prova indiscutível” de que o Presidente russo, Vladimir Putin, está “sozinho na cena internacional” e que as suas ações estão “a levar o seu país ainda mais longe no isolamento autoinfligido” .

9 – EUA E OUTROS ALIADOS VÃO IMPULSIONAR INDÚSTRIA DA DEFESA

Os Estados Unidos e 50 países do grupo de contacto de apoio à Ucrânia pronunciaram-se pelo aumento da produção das suas indústrias da defesa para Kiev continuar a combater a invasão russa e garantir a respetiva segurança. “Estamos a exercer pressão para galvanizar as nossas bases industriais” com o objetivo de “aumentar a força de produção” para defender a Ucrânia, enquanto “satisfazemos as nossas próprias necessidades de segurança”, declarou o secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin.

A França entregará sistemas de defesa aérea à Ucrânia nas próximas semanas; o Canadá vai reforçar apoio militar à Ucrânia; Países Baixos e Ucrânia concordam sobre aumento de ajuda militar. Zelensky agradece compromisso dos aliados no apoio à defesa aérea: realçou que a reunião desta quarta-feira do grupo de contacto de apoio à Ucrânia, que discutiu o fornecimento de sistemas de defesa aérea ao país, foi “bastante produtiva”. “Quanto mais audacioso e cruel o terror russo se torna, mais óbvio é para o mundo que ajudar a Ucrânia a proteger o céu é uma das tarefas humanitárias mais importantes para a Europa no nosso tempo”.

10 – GANHOS UCRANIANOS FORÇAM RÚSSIA A RETIRAR CIVIS DE KHERSON

O governador russo da província ucraniana de Kherson, no sul do país, pediu aos habitantes para abandonarem a região devido a uma contraofensiva da Ucrânia: "Aconselhamos todas as pessoas que vivem em Kherson a deslocarem-se para outras regiões para se protegerem dos ataques de mísseis, se for essa a sua vontade". Dirigindo-se à "liderança russa", pediu ajuda para “organizar” a retirada de civis da região. "Sabemos que a Rússia não abandona os seus". Vladimir Saldo informou também que Kherson "tem sido atingida por um número cada vez maior de ataques". Ataques estes que têm causado "danos graves".

O Ministério da Defesa do Reino Unido antecipou a retirada de civis no relatório desta quinta-feira sobre os desenvolvimentos da guerra na Ucrânia, por ser prováveis combates na própria cidade de Kherson, a única que foi conquistada pelas tropas russas desde o começo da invasão da Ucrânia. Kherson é um dos quatro territórios anexados pela Rússia, juntamente com Zaporijia, Donetsk e Luhansk. Nas últimas semanas, as tropas ucranianas fizeram avanços significativos na região.

Últimas Notícias
Mais Vistos