Telescópio Hubble

Hubble faz uma descoberta surpreendente nos primórdios do Universo

Aglomerado de galáxias MACSJ0416, uma das seis galáxias que está a ser estudada no âmbito do programa Hubble Frontier Fields.

NASA / ESA

Estrelas e galáxias formaram-se mais cedo do que se pensa.

Novos resultados do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA sugerem que a formação das primeiras estrelas e galáxias, no início do Universo, ocorreu mais cedo do que se pensava, revela a ESA em comunicado.

O estudo, liderado por Rachana Bhatawdekar, da ESA, investigou o início do Universo, cerca de 500 milhões a mil milhões de anos após o Big Bang, através das observações do Hubble ao aglomerado de galáxias MACSJ0416 (na imagem em cima), com o apoio do Telescópio Espacial Spitzer da NASA e do Grande telescópio do Observatório Europeu do Sul (ESO), situado no Chile, no âmbito do programa Hubble Frontier Fields.

A equipa estudou a primeira geração de estrelas no início do Universo, conhecidas como Estrelas da População III. Criadas a partir do material primordial que surgiu do Big Bang, essas estrelas devem ter sido constituídas exclusivamente de hidrogénio, hélio e lítio, os únicos elementos que existiam antes de as estrelas iniciarem o processo dentro do seu núcleo de criação de elementos mais pesados, como oxigénio, azoto, carbono e ferro.

Através de uma técnica desenvolvida recentemente para remover a luz das galáxias brilhantes em primeiro plano, a equipa descobriu galáxias mais longínquas com massas mais baixas do que as observadas anteriormente pelo Hubble, a uma distância equivalente a quando o Universo tinha menos de mil milhões de anos. No intervalo cósmico que investigaram, não encontraram provas das estrelas da População III de primeira geração.

Estes resultados mostram que as galáxias devem ter-se formado muito antes. Também sugerem que a formação de estrelas e galáxias ocorreu muito antes do que pode ser investigada com o Telescópio Espacial Hubble, esta será por isso uma área de investigação para o futuro Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA.

30 fotografias tiradas ao Universo: uma para cada ano do Hubble

Algumas das imagens icónicas que o telescópio Hubble foi captando durante os 30 anos que navega pelo sistema solar. Com mais de um milhão de observações feitas, que incluem algumas das mais longínquas e antigas galáxias, o telescópio da NASA e da ESA será talvez o aparelho que captou as imagens mais marcantes do Universo.