Incêndios em Portugal

Incêndios: Governo declara situação de alerta a partir de domingo

Incêndios: Governo declara situação de alerta a partir de domingo
Armando Franca
O território de Portugal continental vai voltar à situação de alerta.
Loading...

O Governo reuniu-se esta sexta-feira na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) para avaliar as condições meteorológicas e o risco de incêndio. No final, o ministro da Amdinistração Interna (MAI) anunciou que a situação de alerta vai ser novamente ativada.

"A situação de alerta será ativada para os dias 21, 22 e 23, estando prevista uma reavaliação [da situação] na segunda-feira ao fim do dia. Toda esta circunstância se aplica ao território continental", anunciou José Luís Carneiro, justificando esta decisão com "fatores críticos que merecem a nossa atenção".

Os fatores elencados pelo ministro foram "o novo pico de calor que se vai sentir nos próximos dias, nomeadamente a partir de domingo", com a previsão de temperaturas na ordem ou superiores a 40ºC, bem como ventos que poderão variar entre os 40 e os 60 km/hora. Além disso, o governante lembrou a "situação de seca extrema" e "a massa florestal acumulada".

"Em função deste quadro há outros fatores que acrescem", prosseguiu, nomeadamente "o desgaste nos meios humanos, materiais e logísticos", pelo que houve "necessidade de encontrar resposta para este desgaste". Por outro lado, houve também "a necessidade" de responder a uma "dificuldade que se tem vindo a sentir a mobilização dos bombeiros voluntários, que necessitam de mecanismos mais ágeis" para abandonarem os seus postos de trabalho.

O ministro anunciou ainda o reforço do patrulhamento das zonas florestais com "25 patrulhas das Forças Armadas", a contratação de mais 100 equipas de bombeiros e a antecipação do pagamento de um milhão de euros às corporações de bombeiros, que "têm tido o esforço de integração no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR)".

"O combate ao incendiarismo é um prioridade", afirmou, revelando que "64% das causas dos incêndios são por uso de fogo ou razões acidentais".

Loading...

No encontro estiveram presentes além do ministro, a secretária de Estado da Proteção Civil e membros das áreas governativas da Defesa, do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, da Saúde, do Ambiente e da Agricultura, para avaliação das condições meteorológicas e do risco de incêndio

Já ontem, o Presidente da República anunciou que hoje seriam definidas medidas para as próximas duas semanas. Quanto aos incêndios, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que o apuramento de eventuais responsabilidades políticas "só deve ser feito no fim da época dos fogos".

Últimas Notícias
Mais Vistos