Jogos Olímpicos

Tóquio 2020. Canoístas portugueses partiram para o Japão para lutar por um lugar no pódio

Oito portugueses vão competir na canoagem. 

A canoagem é uma das modalidades em que os portugueses depositam maiores esperanças na conquista de medalhas nos Jogos Olímpicos deste ano. Os canoístas que vão representar Portugal partiram esta segunda-feira para o Japão com a promessa de lutarem por um lugar no pódio.

Nos últimos anos, a canoagem tem dado muitas alegrias aos portugueses. O desempenho dos atletas abre, por isso, boas perspetivas para os Jogos Olímpicos. Fernando Pimenta é um dos nomes do qual se espera uma subida ao pódio no Japão.

Fernando Pimenta falhou as medalhas no Rio de Janeiro, mas antes, em Londres, tinha conquistado a Prata com Emanuel Silva. O atleta de 35 anos vai para a quinta presença em Jogos Olímpicos. A ambição é a mesma de sempre.

Emanuel Silva vai estar em K4 500 metros com João Ribeiro, David Varela e Messias Baptista.

Além de Fernando Pimenta, a comitiva portuguesa na canoagem fica completa com Antoine Launay, Joana Vasconcelos e Teresa Portela, que estará pela quarta vez nos Jogos Olímpicos.

No Japão já está Antoine Launay, que será o primeiro a competir, a partir do próximo dia 28. Ao atleta do Slalom juntam-se aos 7 canoístas portugueses que partiram esta segunda-feira de Lisboa em direção a Tóquio. Na bagagem levam o sonho da conquista de medalhas.

VEJA TAMBÉM:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros