Jogos Olímpicos

Tóquio2020. Atletas portugueses sentem-se seguros na aldeia olímpica

Rui Bragança e Catarina Costa elogiam organização japonesa. 

Os atletas portugueses sentem-se seguros na aldeia olímpica de Tóquio.

Em conferência de imprensa, o lutador de Taekwondo Rui Bragança e a judoca Catarina Costa (Judo) elogiam a organização japonesa e as medidas tomadas pelo país.

"Se há um país que consegue organizar uns Jogos Olímpicos no meio desta pandemia é o Japão. Na semana de treinos em Kaga era ridículo o pormenor a que chegavam", elogiou Rui Bragança, representante único do taekwondo luso em Tóquio2020.

O atleta vimaranense, que também é médico, recordou a zona isolada em que a comitiva viajou no avião, com direito a instalações sanitárias privadas, e contou que, já no Japão, os guias "controlam tudo", para que nada falhe em termos de segurança sanitária.

"Os nossos guias controlavam tudo ao máximo. Todos os voluntários fazem tudo por tudo para as regras serem seguidas. Fui treinar ao local oficial e estava tudo desinfetado, com divisórias no ringue e tudo. Estes Jogos Olímpicos são uma amostra de que com esforço e dedicação tudo é possível", vincou o lutador, que compete no sábado.

A judoca Catarina Costa, igualmente formada em medicina, garante que se tem sentido "bastante segura" na aldeia olímpica, uma vez que "quase todos os atletas cumprem as regras".

"É raro ver alguém sem máscara. Tenho alguma preocupação extra e evito estar tão perto de outras pessoas, como no refeitório. Está tudo a correr muito bem e todos estão a tomar as devidas medidas", assegurou a atleta, oitava classificada no 'ranking' de qualificação na categoria de -48 kg, que também se estreia no sábado.

Devido à pandemia, os Jogos Olímpicos foram adiados por um ano, com a cerimónia de abertura a realizar-se na sexta-feira e decorrendo até 08 de agosto.

A SIC em Tóquio