Operação Marquês

Operação Marquês. Só um dos dois alegados testa de ferro de Sócrates vai a julgamento

O juiz Ivo Rosa fez cair as acusações do primo do ex-primeiro-ministro. Dos 33 crimes de que Carlos Santos Silva era acusado, apenas três seguem para julgamento.

O Tribunal de Instrução Criminal considera que Carlos Santos Silva corrompeu Sócrates com 1,7 milhões de euros, em pequenas quantias. Mas o crime já prescreveu. Dos dois alegados testa de ferro do antigo primeiro-ministro, apenas um vai a julgamento.

Eram considerados pelo Ministério Público os dois testa de ferro de José Sócrates: o primo José Paulo Pinto de Sousa e o velho amigo Carlos Santos Silva. Nenhum compareceu à decisão instrutória.

O primeiro era acusado de entregar nove milhões de euros ao antigo primeiro-ministro através de várias offshores e contas bancárias, algumas na Suíça, a pedido do primo e a troco de dinheiro.

O objetivo, diz o procurador Rosário Teixeira, era ocultar a respetiva origem e destinatário. José Paulo Pinto de Sousa estava acusado de dois crimes de branqueamento de capitais em coautoria com José Sócrates e outros três arguidos. Ambos os crimes caíram.

Quanto a Carlos Santos Silva, ex-administrador do Grupo Lena, tinha sobre os ombros 33 crimes: corrupção ativa e passiva de titular de cargo público, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e fraude fiscal qualificada.

Os crimes de corrupção e de fraude fiscal caíram. Mantiveram-se ainda assim três crimes de branqueamento de capitais em coautoria e outros três de falsificação de documentos. Em causa estão verbas de 1,7 milhões de euros, alegadamente entregues pelo empresário.

O juiz de instrução Ivo Rosa considera que Carlos Santos Silva corrompeu Sócrates, mas o crime prescreveu. À saída do tribunal, a advogada de Carlos Santos Silva não quis reagir.

Saiba mais no direto sobre a Operação Marquês