Operação Marquês

"A Operação Marquês está a andar. É uma Operação Marquês 'ultralight', mas existe e pode condenar"

Opinião

Sílvia Caneco e Ricardo Costa analisam, na SIC Notícias, o início do julgamento de Ricardo Salgado e a decisão do Ministério Público de absolver Azeredo Lopes no caso de Tancos.

O Ministério Público pediu, esta terça-feira, a absolvição do antigo ministro da Defesa no caso do assalto das armas de Tancos. Azeredo Lopes estava acusado por denegação de justiça, prevaricação, abuso de poder e favorecimento pessoal.

A jornalista Sílvia Caneco considera esta decisão "algo inesperada, porque não acontece muitas vez".

"O que espanta um bocadinho é ser tão contraditório com o que foi dito [por Carlos Alexandre] que considerou que Azeredo Lopes tinha sido essencial em toda a engrenagem."

Sílvia Caneco explica, no entanto, "que é mais difícil provar ou ter provas" para condenar "do que ter apenas indícios": "O que o Ministério Público agora vem dizer é que em julgamento não ficou provado que Azeredo Lopes tivesse de facto cometido estes crimes".

Para Ricardo Costa, a decisão do Ministério Público é "politicamente grave". Azeredo Lopes "viu a sua vida completamente liquidada do ponto de vista público, e agora 'puf' desaparece no ar", diz.

"O ex-ministro acaba acusado de nada e com reparos que não se comportou eticamente."

Ricardo Costa considera que a "ética é uma coisa que deve ser julgada publicamente, politicamente, mas não se julga em tribunal".


Arranca o julgamento de Ricardo Salgado


Também esta terça-feira arrancou o julgamento de Ricardo Salgado, no Tribunal Central Criminal de Lisboa. O ex-banqueiro está acusado de três crimes de abuso de confiança devido a transferências de mais de 10 milhões de euros. Trata-se de um processo saído da Operação Marquês.

"O que nós estamos a assistir é às sobras, ao que sobreviveu, daquela destruição total da Operação Marquês produzida pelo juiz Ivo Rosa", considera Ricardo Costa.

A estratégia de Ivo Rosa tem uma vantagem, "a única", diz Ricardo Costa, "os processos que ficaram são extremamente simples, muito fáceis de julgar": "A Operação Marquês está andar. É uma Operação Marquês 'ultralight', mas existe e que pode condenar Armando Vara, Ricardo Salgado e José Sócrates e Carlos Santos Silva".