Vacinar Portugal

Covid-19. Cerca de 550 mil abrangidos pela redução do intervalo entre doses da AstraZeneca

Matthias Schrader

Vice-almirante Gouveia e Melo afirmou que no total mais de um milhão as pessoas receberam a vacina da AstraZeneca.

Cerca de 550 mil pessoas foram abrangidas pela redução de 12 para oito semanas do período entre doses da vacina da AstraZeneca, revelou o coordenador do plano de vacinação contra a covid-19.

Henrique Gouveia e Melo, que falava aos deputados da Comissão Parlamentar de Saúde, disse ainda que, no total, foram mais de um milhão as pessoas que receberam a vacina da AstraZeneca e que, das 550 mil que encurtaram o intervalo entre doses, apenas cerca de 72.000 não receberam a segunda dose, porque ainda não completaram as oito semanas ou, entretanto, tiveram covid-19.

Questionado pelos deputados sobre a vacinação nas férias e a possibilidade de se poder receber a segunda dose em lugar diferente, Gouveia e Melo considerou impossível concentrar uma percentagem tão elevada de pessoas para a segunda dose, por exemplo, no Algarve.

"O intervalo entre doses é de um mês. Acredito que os portugueses conseguem flexibilizar os agendamentos para garantir que conseguem receber as duas doses no local de residência, evitando problemas", afirmou.

O responsável considerou ainda que alterar a situação "tornaria o processo impossível de controlar" e que "a infraestrutura para manter processo de vacinação sofreria muito".

Segundo o último relatório semanal da Direção-Geral da Saúde, quase metade da população portuguesa (mais de 4,8 milhões de pessoas) já tem a vacinação completa contra a covid-19.

O documento especifica que 47% dos portugueses já completaram a vacinação e cerca de 64% - mais de 6,5 milhões de pessoas - receberam pelo menos uma dose da vacina.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.248 pessoas e foram registados 943.244 casos de infeção, segundo a DGS.

A covid-19 é uma doença respiratória provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Veja também: