A vacinação em Portugal e no Mundo

Von der Leyen quer Europa focada em "questões mais urgentes" do que direitos de vacinas

A presidente da Comissão Europeia disse ainda que o "trabalho jurídico e técnico sobre o certificado verde digital está no bom caminho".

A presidente da Comissão Europeia defendeu que a União Europeia (UE) se deve focar em "questões mais urgentes" do que o debate sobre os direitos intelectuais das vacinas anticovid-19, como a exportação para países de baixo rendimento.

"Penso que é muito importante e deveríamos estar abertos a esta discussão [...] e ter um olhar atento sobre o papel do licenciamento. É importante que estes sejam tópicos a discutir, mas devemos estar cientes de que estes são tópicos a longo prazo, não a curto ou médio prazo", disse Ursula von der Leyen, em declarações aos jornalistas após o final de um Conselho Europeu informal, no Palácio de Cristal do Porto.

Falando sobre uma eventual suspensão das patentes de vacinas contra a covid-19, a líder do executivo comunitário vincou que a UE não deve "perder de vista as principais urgências", que são "produção de vacinas o mais rapidamente possível e a salvaguarda de que estas são distribuídas de forma justa e equitativa".

Vincando que existem "tópicos que devem ser abordados" antes, Ursula von der Leyen assinalou que "a União Europeia é a farmácia do mundo, tendo já exportado 200 milhões de doses de vacinas, metade das doses produzidas, para 90 países diferentes no mundo de baixo rendimento.

"Convidamos outros a fazer o mesmo [porque] esta é a melhor maneira de, a curto prazo, abordar os estrangulamentos e a falta de vacinas em todo o mundo", vincou a responsável.

A responsável acrescentou que uma eventual suspensão dos direitos de propriedade intelectual "é algo que não trará dentro do próximo mês, talvez no próximo ano, quaisquer vacinas".

"Estamos sim dispostos a entrar nessa discussão, mas precisamos de uma visão real de 360 graus sobre o assunto e, de momento, não nos devemos afastar de outros tópicos que estão nesta grande questão de onde vêm as vacinas para todo o mundo", insistiu Ursula von der Leyen. "E precisamos de vacinas agora", reforçou. "O que eu quero dizer é que vamos precisar de toda a discussão. Vamos convidar todos a participar na partilha de vacinas, nas exportações e no investimento de capacidades, não só na própria região mas também no estrangeiro", adiantou Ursula von der Leyen.

Vacinação no bom caminho com 200 milhões de doses disponibilizadas, diz von der Leyen

A Comissão Europeia anunciou este sábado que 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 chegaram já à União Europeia (UE) e 160 milhões de europeus já receberem a primeira dose, levando a que a vacinação esteja "no bom caminho".

"Atualizei os líderes sobre os bons progressos que temos com a nossa campanha de vacinação. Já entregámos mais de 200 milhões de doses ao povo europeu e, por isso, estamos no bom caminho para atingir o nosso objetivo de entregar doses suficientes até julho para vacinar 70% da população adulta europeia", divulgou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Falando aos jornalistas no final de um Conselho Europeu informal, no Palácio de Cristal do Porto, a líder do executivo comunitário assinalou que "a administração de vacinas é ainda melhor", sendo que "os números são próximos dos 160 milhões de europeus que já receberam uma primeira dose, o que corresponde a mais de 25% da população da UE".

"Esta é uma boa notícia e vamos continuar assim", garantiu Ursula von der Leyen.

A Comissão Europeia anunciou, também este sábado, um novo contrato de aquisição de 1,8 mil milhões de vacinas da Pfizer/BioNTech contra a covid-19 para 2022 e 2023 e, sobre esta questão, a responsável disse ter ficado "satisfeita pela conclusão das negociações". Isto porque este novo contrato irá permitir abranger crianças e adolescentes que, "mais cedo ou mais tarde", terão de ser vacinados, irá garantir reforço da vacinação além das duas doses e ainda responder às "chamadas variantes de preocupação", elencou Ursula von der Leyen.

"O caminho para ultrapassar a pandemia é através da campanha de vacinação, mas é claro que não podemos baixar a guarda e temos de nos preparar para o futuro", acrescentou a líder do executivo comunitário, anunciando também novos contratos semelhantes para aquisição de compras "baseadas em outras tecnologias como as baseadas em proteína [spike] ".

"Trabalho jurídico e técnico sobre o certificado verde digital está no bom caminho"

Já abordando a discussão em curso sobre a criação do certificado verde digital, Ursula von der Leyen classificou este como "um tópico que foi importante [porque] , naturalmente, todos estão a pensar na estação do verão".

"É importante para que as pessoas planeiem com antecedência as férias e é igualmente importante para os trabalhadores do turismo, da hotelaria ou do setor dos transportes que esperam estar de novo no ativo e para as empresas, claro, desses setores que esperam começar a recuperar", assinalou Ursula von der Leyen.

Para tal, além do "parâmetro-chave que é a vacinação", também "devemos permitir viajar dentro e para a União Europeia", insistiu a líder do executivo comunitário, revelando que "o trabalho jurídico e técnico sobre o certificado está no bom caminho para que o sistema esteja operacional" em junho.

Isto porque, "graças ao excelente trabalho da presidência portuguesa do Conselho e devido à rapidez dos parlamentos em chegar a uma posição, podemos realisticamente visar um acordo político até ao final deste mês", adiantou.

Em causa está a proposta legislativa apresentada pelo executivo comunitário em meados de março para a criação de um certificado digital para comprovar a vacinação, testagem ou recuperação da covid-19, um documento bilingue e com um código QR que deve entrar em vigor até junho para permitir a retoma da livre circulação na UE no verão.

Em meados de abril, os Estados-membros da UE aprovaram um mandato para a presidência portuguesa do Conselho negociar com o Parlamento Europeu a proposta de implementação deste certificado verde digital. No final de abril, foi a vez de a assembleia europeia adotar a sua posição negocial, passo após o qual arrancaram as negociações interinstitucionais.

  • 1:21